Notícias » Crimes

Autópsia inicial de noivo de influencer morta em viagem é inconclusiva quanto à causa da morte

Restos mortais de Brian Laundrie foram encontrados na última quinta-feira, 21

Isabela Barreiros Publicado em 26/10/2021, às 10h28

Brian Laundrie e Gabby Petito durante viagem
Brian Laundrie e Gabby Petito durante viagem - Divulgação/Instagram/@bizarre_design_

O advogado da família de Brian Laundrie, ex-namorado da influencer Gabby Petito, morta durante uma viagem de van nos Estados Unidos, informou nesta segunda-feira, 26, que a autópsia inicial realizada nos restos mortais de Laudrie não informou a causa de sua morte.

Como os exames foram inconclusivos para a maneira como o americano morreu, Steve Bertolino afirmou que um exame mais intensivo deverá ser feito no corpo, com intuito de colocar fim à essa dúvida, de acordo com informações relatadas pelo jornal britânico The Guardian. 

“Disseram-me que a forma e a causa da morte não foram determinadas e os restos mortais foram enviados a um antropólogo [para] avaliação posterior”, afirmou o advogado.

A autópsia foi realizada pelo médico legista do condado de Sarasota e não produziu “resultados concretos”, como informou a polícia local. O escritório do FBI em Denver, responsável pela investigação, assim como o escritório do legista, não comentaram a situação.

Os restos mortais de Brian Laundrie foram encontrados em uma reserva da Flórida chamada Carlton e positivamente confirmados como sendo dele pelo FBI. Além dos ossos, foram encontrados ainda uma mochila e um caderno, que não tiveram detalhes divulgados pelos investigadores.

A família de Laundrie decidiu que não fará nenhum funeral e que seus restos serão cremados. 

Relembre o caso

A influenciadora e seu noivo estavam viajando através do território estadunidense em sua van, viagem que era documentada no Instagram da jovem.

No último mês de agosto, todavia, Petito deixou de responder mensagens de texto ou atender ligações da família e dos amigos, causando preocupação. 

Laundrie voltou da excursão no dia primeiro de setembro, porém estava sozinho. Ele também se recusou a conversar com os policiais a respeito do caso, fazendo com que se tornasse uma "pessoa de interesse" da investigação.