Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Crimes

Autora de ‘Como matar seu marido’ é condenada à prisão perpétua por matar marido

O livro de Nancy Crampton Brophy vem chamando atenção — assim como seu crime

Redação Publicado em 14/06/2022, às 09h47

Nancy Crampton Brophy presa em setembro de 2018 e com o marido Daniel Brophy - Divulgação/Portland Police Bureau/MCSO / Arquivo Pessoal
Nancy Crampton Brophy presa em setembro de 2018 e com o marido Daniel Brophy - Divulgação/Portland Police Bureau/MCSO / Arquivo Pessoal

A autora do livro “Como matar seu marido” foi condenada à prisão perpétua na segunda-feira, 13, pelo assassinato de seu marido por meio de um tiro fatal, num episódio ocorrido há quatro anos no local de trabalho dele em Portland, nos Estados Unidos.

Nancy Crampton Brophy, de 71 anos, foi considerada culpada por assassinato em segundo grau em 25 de maio e recebeu sua sentença nesta semana. Ela poderá receber liberdade condicional após 25 anos de prisão, segundo o jornal britânico The Guardian.

A romancista está sob custódia desde que foi presa em setembro de 2018, pouco meses depois da morte de seu companheiro, Dan Brophy, de 63 anos. O julgamento sobre o caso foi retomado no começo de maio e durou cerca de sete semanas.

Julgamento

Segundo os promotores do caso, a autora foi motivada por problemas financeiros e uma apólice de seguro de vida, o que ela nega. Nancy foi vista ainda em imagens de vigilância dirigindo até o local da morte e possuía a mesma marca e modelo de arma usada no crime.

Ela afirmou que estar no perto do local do crime naquele dia foi mera coincidência e que estava trabalhando em sua escrita na região enquanto havia estacionado nas proximidades. A arma também fazia parte de estudos para um próximo romance, segundo Crampton Brophy.

Embora “Como matar seu marido” tenha chamado a atenção no caso, a verdade é que a obra foi excluída do julgamento. O juiz Christopher Ramras definiu que, como o ensaio foi publicado em 2011 e o crime aconteceu em 2018, não seria permitida como prova no julgamento.