Notícias » Estados Unidos

Autora se desculpa com homem inocentado de seu estupro

Alice Sebold descreveu o estupro e identificou Anthony Broadwater, um homem negro que passou 16 anos na prisão

Isabela Barreiros Publicado em 01/12/2021, às 11h11

A autora Alice Sebold
A autora Alice Sebold - Divulgação/Youtube/Manufacturing Intellect

Alice Sebold se desculpou com o homem que foi inocentado de seu estupro após passar 16 anos na prisão. A autora relatou que foi vítima de estupro no livro “Em Sorte - Um caso de Estupro”, lançado no Brasil em 2003.

Na investigação sobre o crime, ela contou à polícia que o agressor provavelmente era um homem negro que havia visto em uma das ruas da universidade Syracuse, onde estudava aos 17 anos.

Anthony Broadwater foi condenado com base no relato de Sebold e em uma análise microscópica de cabelo. No entanto, um reexame do caso concluiu que as evidências não eram suficientes para a sentença e acabaram sendo desacreditadas.

O homem teve sua inocência comprovada na última quinta-feira, 25. Embora os advogados de Sebold tenham afirmado anteriormente que ela não iria se posicionar sobre o caso, a autora voltou atrás e emitiu um comunicado em que se desculpava por sua participação na condenação.

"Lamento acima de tudo pelo fato de que a vida que você poderia ter levado foi injustamente roubada de você, e eu sei que nenhuma desculpa pode mudar o que aconteceu com você e nunca mudará", escreveu.

Ela afirmou que passou os últimos dias tentando "compreender como isso poderia ter acontecido".

"Eu também vou lutar contra o fato de que meu estuprador, com toda a probabilidade, nunca será conhecido, pode ter estuprado outras mulheres e certamente nunca cumprirá a pena na prisão que o Sr. Broadwater cumpriu", acrescentou.

Anthony declarou que se sentia “aliviado por ela ter se desculpado", por meio de uma nota divulgada por sua defesa.

"Eu li as desculpas de Alice e Anthony foi muito gentil em aceitar essas desculpas e eu realmente o aplaudo por isso. Esse é o tipo de pessoa que ele é", disse Timothy Mucciante, investigador particular do caso.