Notícias » Segunda Guerra Mundial

Aviões da Segunda Guerra Mundial sofrem vandalismo nos Estados Unidos

Localizados no aeródromo de Cape Cod esses dois pedaços de história voaram mais de 130 mil horas

Nicoli Raveli Publicado em 15/04/2020, às 18h00

Aviões utilizados durante a Segunda Guerra Mundial
Aviões utilizados durante a Segunda Guerra Mundial - Divulgação/Cape Cod

No último sábado, 11, o aeródromo de Cape Cod, localizado em Massachusetts, ao nordeste dos Estados Unidos, informou que dois aviões da Segunda Guerra Mundial foram cruelmente vandalizados.

De acordo com os funcionários, as aeronaves eram relíquias utilizadas pelos Aliados durante a Grande Guerra. Todavia, devido ao vandalismo, os dois aviões Douglas DC-3 sofreram cerca de 15 mil dólares de prejuízo, já que a superfície do controle de voo foi esmagada e um dos suportes de metal, que serve para ajudar no controle da nave, foi quebrado e suas estruturas foram arrancadas. 

"Nestes tempos difíceis, nós sabemos que mais pessoas do que o normal estão utilizando as trilhas da nossa área de conservação. Ficamos felizes com isso, no entanto, esse aumento do tráfego de pedestres aumento na propriedade do aeródromo”, afirmou o aeródromo em uma publicação no Facebook. 

Os responsáveis pelo local acrescentaram ao dizer que, fazer isso com uma aeronane equivale a abater um veterano da Segunda Guerra Mundial apenas para vê-lo cair. Esses modelos são um dos poucos que restam no mundo. Após sua longa jornada durante a guerra, um dos aviões foi destinado a viagens noturnas. O outro, continuou sendo designado para o exército dos Estados Unidos.

"Combinados, esses dois pedaços de história voaram mais de 130 mil horas", revelou o aeroporto em nota. Entretanto, a empresa enfrentará um desafio para repará-los, já que esses danos vão além do orçamento.

Até o momento, não se sabe quem causou os atos de vandalismo. Não obstante, a Cape Cod está oferecendo uma recompensa por qualquer informação que leve as pessoas envolvidas no caso. Além disso, a empresa afirmou que os funcionários irão começar, em breve, a reconstrução dos controles de voo que foram danificados.  

"Este é um golpe adicional à nossa família de aeródromos que não precisamos nestes tempos difíceis. Com o COVID-19, estamos preocupados com a segurança de nossas famílias, mantendo nossa pequena empresa aberta e agora precisamos nos preocupar com mais vandalismo na propriedade", afirmou o proprietário.