Notícias Personagem

A vida e a morte de Ayrton Senna

Há 24 anos, morria Ayrton Senna; conheça a trajetória que fez dele o herói de uma geração

segunda 30 abril, 2018
Conheça a trajetória do piloto brasileiro
Conheça a trajetória do piloto brasileiro Foto:Getty Images

A primeira dificuldade que aquele brasileiro de 20 anos, magrinho e aparentemente tímido, encontrou quando chegou na Inglaterra em 1980 foi ensinar seu nome. Jamais alguém chamado Ayrton tinha aparecido em Snetterton, onde se localizava a Van Diemen, a fábrica de protótipos da Fórmula Ford pela qual ele pretendia competir. E como "Ayrton" era impronunciável em inglês, as pessoas o chamavam de "Harrinton da Silva".

Durante a Fórmula Ford em 1982 Wikimedia Commons

Foi Chico Serra, ex-campeão da Fórmula Ford, que apresentou Ayrton a Ralph Firman, dono da Van Diemen. E disse tantas maravilhas sobre ele que Firman, mesmo antes de conhecer o novo talento, já o chamava de quick man (homem rápido, em inglês).

Veja mais

Béco, como era conhecido desde pequeno, apaixonou-se pela velocidade muito criança. Uma vocação que animou o pai, seu Milton, a fabricar ele mesmo o primeiro kart do filho: um carrinho impulsionado por um motor de cortador de grama. O menino pintou nele os números 007 e transformou-o em seu brinquedo predileto. Nos longos serões na improvisada oficina da casa da Serra da Cantareira, em São Paulo, onde morava, Béco se esquecia da vida e só tirava as mãos da graxa altas horas da noite e sob protestos.

Ayrton era um predestinado. Tinha 8 anos quando participou de sua primeira corrida. Numa prova na qual a ordem de saída era definida por sorteio, tirou o papelzinho número 1, que lhe deu o direito de largar na pole position. Em competições oficiais, estreou aos 13 anos, num domingo em julho de 1973, em Interlagos. E venceu.

Campeão moral 

Depois de ganhar vários títulos de campeão brasileiro e sul-americano, Ayrton participou dos mundiais de kart em 1978, em Le Mans, na França, e em 1979, em Estoril, Portugal. Em ambos esteve bem perto do título. Em Le Mans, bateu na bateria final e teve de contentar-se com o prêmio de piloto revelação. Em Portugal, Ayrton chegou na última bateria sentindo cheiro do título. Venceu, fez toda a festa, mas não ficou com a taça. O holandês Peter Koene foi declarado campeão pelo critério desempate. Ayrton saiu festejado como campeão moral, mas decepcionado. No ano seguinte, decidiu morar na Europa.

Em novembro de 1980, Ayrton deu dez voltas num F-Ford. O patrão Ralph Firman gostou do que viu e o contratou para correr o campeonato inglês e o europeu. Senna estreou no dia 1° de março, em Brands Hatch, na Inglaterra, com um quinto lugar, mas o estilo técnico e guerreiro, que lhe rendeu três poles position e três vitórias, nas corridas seguintes, logo o transformou em favorito ao título. Em julho, a imprensa especializada o elegeu o melhor piloto de sua geração. O elogio era óbvio, afinal, ele tinha enfileirado meia dúzia de vitórias e êxitos incríveis, como ganhar uma prova no sábado à tarde pelo torneio europeu e, na manhã seguinte, outra pelo certame inglês. Ayrton ganhou a F-Ford inglesa numa corrida disputada em agosto. Com mais três vitórias seguidas, Ayrton Silva - que ainda não assinava Senna - ganhou também o europeu, depois de 13 vitórias e cincos segundos lugares em 18 provas.

No ano seguinte, retornou a Inglaterra para disputar os campeonatos inglês e europeu de Fórmula 2000, novamente pela Van Diemen. Estreou com vitória e, na prova seguinte, fez a pole position e bateu o recorde do circuito. O ano foi uma rotina vitoriosa, para desespero das demais equipes e dos pilotos. Até a sexta corrida, em Silverstone, Senna marcou seis pole position, bateu seis recordes de voltas e venceu todas as provas. "Harrinton" despediu-se da Van Diemen com dois títulos de campeão.

Na Fórmula 3, em 1983, Ayrton estreou com um Ralt, na equipe Dick Bennetts. E venceu. Seguiu batendo recordes, principalmente em Silverstone, e ganhou da revista Autosport, o apelido de "DaSilvastone", embora tivesse pintado o nome Senna em seu coockpit.

Recordes

Foram oito triunfos seguidos, quebrou o recorde de sete vitórias consecutivas que por 20 anos pertenceu ao lendário Jackie Stewart, e, quando chegou à nona vitória, havia liderado 187 voltas do total de 189 percorridas até ali. Mas em seguida entrou numa fase de quebras e acidentes e foi para a última corrida precisando chegar à frente de Martin Brundle para ser campeão. Era hora de arriscar tudo.

Foi Dick Bennetts quem sugeriu que Senna partisse com um adesivo tapando a entrada de ar do radiador de óleo que, dessa forma, aceleraria a temperatura ideal e o motor funcionaria a pleno, já nas voltas iniciais. Bennetts alertou que assim que a temperatura atingisse o nível desejado, o adesivo teria de ser removido, senão o motor explodiria. Ayrton topou, afinal, aquela era a corrida mais importante da temporada e, até ali, da sua vida.

Tudo funcionou como o previsto e, na sexta volta, o alarme de temperatura acendeu. Ayrton abriu o cinto, esticou-se e puxou o lacre improvisado, mas não conclui a manobra na reta e entrou na chicane sem recolocar o cinto. "Eu parecia um boneco de mola solto dentro do coockpit", afirmaria Ayrton depois da prova. De volta à reta, apertou o cinto, respirou fundo e abriu vantagem suficiente para chegar à vitória são, salvo e campeão. Para quem não soube da manobra, aquela foi apenas mais uma vitória, mas para Bennetts e companhia foi um triunfo que virou lenda.

No fim de 1983, o jovem piloto era detentor de cinco títulos: dois da F-Ford, dois na F-2000 e um da Fórmula 3, em apenas três temporadas. Era natural que chovessem convites para ele fazer testes na Fórmula 1: Toleman, Brabham, Tyrrell e McLaren fizeram as primeiras ofertas, mas ele guardava uma recordação especial da primeira experiência na Williams, anotada na página 42 da sua inseparável agenda diário, com capa marrom. Ali, escreveu: "Encontrar com Frank Williams em Unit 10, Station Road, Indusrrial State, às 3 pm de 1º de abril". Leu a anotação a bordo do Boeing 747, entre São Paulo e Londres, e riu. Ia testar um Fórmula 1 no dia da mentira. Guardou o diário e dormiu. Acordou sobrevoando Londres e lembrou feliz: "Caramba, testar um Fórmula 1 e logo o carro campeão do ano anterior", pareceu-lhe um sonho.

Ayrton Senna, com 23 anos, entrou no Williams para dar sua primeira volta em Fórmula 1, em Donnington Park. Era o veículo com o qual Keke Rosberg havia ganho título mundial. Senna foi veloz, impressionou tanto Frank Williams que nasceu entre eles o compromisso de ele pilotar um Williams no futuro. Um desejo que só se daria 20 anos depois, em 1994.

Enfim, a F-1

Senna disputou 163 corridas na década em que sacudiu a Fórmula 1. Na estréia, no GP do Brasil em 1984, enfrentou feras, como Niki Lauda e Alain Prost (McLaren), Keke Rosberg (Williams) Michele Alboreto (Ferrari), Nelson Piquet (Brabham) e Nigel Mansell (Lotus). Largou em 16°, ganhou três posições na primeira volta, mas seu Toleman quebrou na oitava volta. Prost venceu.

A melhor corrida de Ayrton na temporada foi o GP de Mônaco. Ele partiu na 13ª posição e, debaixo de um temporal, fez ultrapassagens espetaculares sobre Lauda, Rosberg, Alboreto e Mansell. Era inacreditável que aquele brasileirinho estreante, em 20 voltas, colasse seu fraco Toleman no encalço do possante McLaren de Prost. E, mais ainda, ultrapassasse o francês.

Senna só não venceu seu primeiro grande prêmio porque o diretor da prova encerrou a corrida na 31ª das 78 voltas previstas. Embora estivesse na liderança, o regulamento determina que, quando a corrida é encerrada antes da metade, a classificação é definida pelas posições da volta anterior a da bandeirada. Prost, mais uma vez, venceu. Em 1984, Lauda foi o campeão e Senna terminou em nono.

Foi debaixo de um temporal que ele conseguiu seu primeiro triunfo na F-1, em Portugal, em abril de 1985. Numa atuação inesquecível, Senna navegou sob um dilúvio durante duas horas e 28 segundos por 291 quilômetros, a média de 150 km/h. Acelerou a Lotus número 12 numa lição de pilotagem, avisando ao mundo que naquele domingo surgia uma lenda: o Ayrton Senna da Chuva. Para quem acredita em coincidências (e o próprio Senna acreditava), naquela noite, o cometa Halley surgiu no céu, como para marcar a primeira vitória da carreira do piloto na Fórmula 1.

Senna x Prost

Ayrton estava feliz no início de 1988. Como piloto de um McLaren, tinha um carro muito mais competitivo que os anteriores. Tinha 28 anos e não era mais o jovem franzino. Preparou o corpo para resistir a potência dos 1.200 cavalos que o motor turbocomprimido Honda desenvolvia nas voltas da classificação. Ganhou físico de atleta praticando exercícios e atingiu a condição cardiovascular ideal para a exigente profissão. Com o 1,76 metro, subira de 58 para 70 quilos, ganhando musculatura. Os braços passaram de 23,2 para 34,6 centímetros e os antebraços de 20,3 para 32,4 centímetros de largura. O tórax aumentou 15 centímetros, evoluiu de 86,4 para 101,4. Os punhos de 13 para 17,4, as coxas de 44,6 para 51,6 e os tornozelos de 19 para 22 centímetros.

Ayrton adquirira condição física para resistir ao estresse de duas horas de competição, em situações que desafiam os limites do corpo humano. Preparou-se, enfim, para ser capaz de vencer o melhor piloto da época, o francês Alain Prost, bicampeão mundial, conhecido como Professor, e que era seu inimigo na equipe inglesa.

O duelo entre os dois foi a atração da temporada: das 16 provas, Ayrton ganhou oito, Prost sete. Por isso, o mundo exultou quando eles foram para o tira-teima na corrida final no Japão. Ayrton era o pole, mas teve problemas na largada e o motor apagou. Prost pulou na frente dando a impressão de que conquistaria o tricampeonato. Quando Senna conseguiu largar, caiu para 16º. Ele partiu feroz, fazendo ultrapassagens de todo jeito. Caçava o francês de forma tão obstinada que só na primeira volta passou seis adversários.

Na 11ª, já era terceiro e, para espanto geral, principalmente de Prost, na 20ª, colou no líder. Era o momento de decidir quem seria o campeão. Na 28ª volta, Ayrton deu o bote. Entrou na reta dos boxes com seu McLaren colado no aerofólio do de Prost, retardou a freada ao máximo, saiu do vácuo, ficou lado a lado com o francês e completou a ultrapassagem do título mundial.

Sempre no Japão

Em 1990, o duelo entre Senna e Prost continuou sendo a grande atração, com a diferença que, agora, o francês estava na Ferrari. A decisão seria, outra vez, no Japão. Prost chegou em Suzuka com cinco vitórias nos 16 grandes prêmios da temporada. Senna vinha de seis vitórias.

Senna na Temporada de Fórmula 1 de 1990 Wikimedia Commons

Ayrton amanheceu com dores de ouvido que obrigaram-no a usar protetores especiais para amenizar o ruído do motor a dois palmos da orelha. Mas o tão esperado duelo não passou de 800 metros. Houve quase uma reprise do que tinha ocorrido na definição do título de 1989, naquele circuito. No ano anterior, Prost, sentindo que seria ultrapassado por Ayrton, fez uma manobra habilíssima, deixando seu carro no caminho do brasileiro para a inevitável colisão. Senna ainda voltou à pista, terminou a corrida em primeiro, mas foi desclassificado. Prost ficou com o tricampeonato.

Em 1990, o feitiço virou contra o francês. Na tentativa de intimidar Senna, ele forçou uma ultrapassagem na largada. O brasileiro não se assustou e foram lado a lado para a primeira curva. Nenhum aliviou o pé, trombaram forte e sumiram na poeira. Quando se tornaram visíveis, Ayrton sacudia o pó do macacão como novo bicampeão do mundo e Prost enterrava a oportunidade de ser tetra.

Naquela tarde, Senna era pura felicidade. Os roncos do motor não feriam mais seus tímpanos e as acusações de Alain Prost de que o brasileiro tinha provocado o acidente para ficar com título soavam como música.

Nem Senna sabia

No ano seguinte, ninguém entendeu o que ocorreu naquela bandeirada do GP do Japão, quando Senna se sagrou tricampeão de Fórmula 1. Nigel Mansell, da Williams, seu único rival na corrida pelo título, ficou fora da prova na volta 26. Mas quando o mundo se preparava para aplaudir a vitória do brasileiro tricampeão, foi o austríaco Gerhard Berger, seu parceiro de equipe, quem surgiu em primeiro.

 

Em 1989Wikimedia Commons

Só depois do pódio o fato foi esclarecido. Ron Dennis, patrão da McLaren, sugeriu, via rádio, na última volta que Senna cedesse a vitória ao companheiro. O brasileiro tirou o pé e deixou Berger vencer. Uma generosidade que Ayrton, na sua habitual sinceridade, admitiu ter titubeado em conceder: "Não foi uma decisão fácil, era a vitória do meu tricampeonato", disse após o champanhe. Ele jamais escondeu sua filosofia de vida profissional: "Eu corro para vencer. Só a vitória justifica os riscos desse esporte tão perigoso".

A última vitória

Em 7 de novembro de 1993, na Austrália, iria acabar uma fase inesquecível para a história da Fórmula 1. Era o adeus de Ayrton Senna à equipe que ele defendeu por seis anos e pela qual foi três vezes campeão mundial. Cravou na pista de Adelaide a 49ª pole pela McLaren, de um total de 65 na carreira - marca que permanece recorde em 2004.

Senna estava pronto para partir para o grid quando o mexicano Jo Ramirez, decano na McLaren e cinquentenário na Fórmula 1, dissimulado, lhe exibiu uma placa com os números: 103 a 103. Senna não esboçou reação. Largou, liderou e venceu aquele GP da Austrália. Ganhou o 35º grande prêmio pela McLaren e vibrou com a festa de Ramirez, que mudara a inscrição da placa para 104 a 103. Os números comemoravam a primeira vez na história da F-1 que a McLaren passava à frente da Ferrari em número de vitórias.

Aquele foi o 41º e último triunfo de Ayrton Senna na F-1. Ele se transferiu para a Williams, onde marcaria as três primeiras poles postion da temporada, antes da tragédia no GP de San Marino, em 1º de maio de 1994.


Números na Fórmula 1

Em uma das suas grandes corridas Wikimedia Commons

➽ Vitórias: 41

➽ Poles position: 65

➽ Voltas na liderança: 2 962

➽ Vitórias com pole position: 29

➽ Vitórias consecutivas no mesmo circuito: Mônaco, 5, de 1989 a 1993

➽ Poles position numa mesma temporada: 13 (em 1988 e 1989)

  •  Em 1988: Brasil, San Marino, Mônaco, México, Canadá, EUA, Alemanha, Hungria, Bélgica, Itália, Espanha, Japão e Austrália.
  •  Em 1989: Brasil, San Marino, Mônaco, México, EUA, Inglaterra, Alemanha, Bélgica, Itália, Portugal, Espanha, Japão e Austrália

➽ Poles position sucessivas: 8

  • Espanha, Austrália, Brasil, San Marino, Mônaco, México e Estados Unidos (1988), Brasil (1989)

➽ Vitórias de ponta a ponta: 19

  • Em 1985: Portugal.
  • Em 1988: San Marino, EUA, Alemanha, Hungria, Bélgica.
  • Em 1989: San Marino, Mônaco, México, Bélgica e Espanha.
  • Em 1990: Mônaco, Bélgica e Itália.
  • Em 1991: Estados Unidos, Brasil, Mônaco, Hungria e Austrália

Saiba mais

Ayrton Senna o Eleito, Daniel Piza, Ediouro, 2003 

Lemyr Martins


Leia Mais:

Receba em Casa

Vídeos

Mais Lidas

  1. 1 Crianças que nasceram como resultado do horrível programa Há 82 anos, nazistas começavam seu repugnante programa de ...
  2. 2 Os quatro milênios da Babilônia
  3. 3 Uma tempestade chamada Pagu
  4. 4 Inquisição: A fé e fogo
  5. 5 Marginália: As alucinadas ilustrações dos livros medievais