Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Brasil

Bandeira dos Confederados é hasteada em evento de cerveja em Petrópolis

Nos Estados Unidos, a bandeira já gerou diversas polêmicas ao ser utilizada como símbolo da supremacia branca

Redação Publicado em 15/02/2022, às 12h00

Bandeira supremacista em meio a bandeiras do brasil - Divulgação / Twitter
Bandeira supremacista em meio a bandeiras do brasil - Divulgação / Twitter

Uma bandeira dos Estados Confederados da América foi hasteada durante uma feira de cerveja ocorrida em Petrópolis, Rio de Janeiro, na última sexta-feira, 11. Os organizadores do evento alegaram não saber o significado do símbolo até o surgimento da polêmica. 

A bandeira, que teve origem no contexto da Guerra de Secessão (Guerra Civil norte-americana), no século 19, é utilizada por grupos racistas e supremacistas brancos ao redor do mundo. Ela foi usada pelos estados do sul dos Estados Unidos, os Confederados, que defendiam a escravidão.

Segundo informações da revista Rolling Stone, a Feira Deguste, responsável pelo evento de cervejas, explicou o ocorrido por meio de nota publicada no Instagram.

O texto diz que o expositor que hasteou a bandeira participou pela primeira vez da feira e que o real significado da mesma foi descoberto somente no final da noite.

A organização ainda justificou que o símbolo não é conhecido no Brasil como sendo pertencente a movimentos supremacistas e que esse é um "nicho ideológico lastimável."

"Nunca houve e jamais haverá a promoção de ideologias de quaisquer natureza que entrem em conflito com o respeito à diversidade e à pluralidade humanas, ao contrário disso, a exposição de diferentes empresas sempre teve como intuito superior promover os produtores e artistas locais e fortalecer o comércio e a cena cultural", afirmou a feira.

Nas redes sociais, o prefeito de Petrópolis, Rubens Bomtempo, repudiou o ocorrido. "Petrópolis diz não à intolerância! Minha eleição e o nosso governo representam o combate a todo tipo de intolerância, seja ela religiosa, racial, por gênero, orientação sexual ou discriminação de classe ou qualquer ato que possa ferir os direitos humanos", disse o político.