Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Japão

Bêbado, homem comete erro e causa dor de cabeça para prefeitura de cidade japonesa

Prefeitura e autoridades de Amagasaki precisaram dar uma entrevista coletiva na quinta-feira, 23

Redação Publicado em 27/06/2022, às 11h20

Imagem meramente ilustrativa - Pixabay
Imagem meramente ilustrativa - Pixabay

Após fazer um alto consumo de bebidas alcoólicas, um cidadão japonês de 40 anos acabou perdendo um HD que contém dados pessoais de mais de 465 mil habitantes da cidade de Amagasaki, noroeste de Osaka.

Dada as informações da emissora estatal japonesa ‘NHK’ repercutidas pelo portal ‘UOL’, ainda no começo de junho, o homem de identidade não revelada, acabou o seu dia de trabalho e foi para um restaurante comer e beber com alguns amigos, levando o objeto eletrônico na sua bolsa. Ao exagerar na bebida, acabou dormindo na calçada próxima ao estabelecimento e quando acordou, sua bolsa havia sido furtada.

Ele trabalha para uma empresa encarregada de fornecer benefícios a famílias isentas de impostos.

O HD contém informações confidenciais incluindo detalhes fiscais, nomes e números de contas bancárias, além de informações sobre famílias que recebiam auxílios estatais, alegou o poder público em comunicado.

Pedido de desculpas oficial e investigações

A prefeitura disse na semana passada para a TV estatal, que o aparelho é criptografado, não tendo registro de uso algum até o momento. Mesmo assim, ainda foi dito que o prefeito e outras autoridades de Amagasaki se desculparam com a população durante uma entrevista coletiva na quinta-feira, 23.

Foi afirmado por autoridades locais que, embora o funcionário tenha sido autorizado a acessar os dados, ele não tinha permissão para transferi-los para um HD ou qualquer categoria de aparelho.

Por isso, na coletiva ele foi bastante criticado por não ter apagado os registros depois que concluiu o seu trabalho, o que inviavelmente irá gerar consequências na sua ocupação profissional, dada a apuração do ‘UOL’.