Notícias » Saúde

Bebê de sete dias e criança de 11 anos sem comorbidades morrem de covid-19 no Maceió

O boletim epidemiológico do estado divulgou, no último domingo, 4, os casos e óbitos mais recentes em Alagoas

Wallacy Ferrari, sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 05/07/2021, às 12h45

Imagem ilustrativa de coronavírus
Imagem ilustrativa de coronavírus - Foto de philiart no Pixabay

Uma lista de novos casos e óbitos de Covid-19 em Alagoas chamou atenção; a Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) apontou que, das 17 mortes pelo novo coronavírus divulgadas no último domingo, 4, duas delas são de crianças fora do grupo de risco, como informa a TV Gazeta, afiliada da Globo no estado.

O boletim epidemiológico acrescentou detalhes aos óbitos, o primeiro foi de uma garota com sete dias de vida, nascida prematuramente e sendo acompanhada em um hospital particular da capital alagoana, Maceió. Sem chegar a sair da unidade de saúde, a criança contraiu o vírus ainda no hospital.

O outro caso foi registrado na Zona da Mata do estado, no município de Branquinha; tratava-se de um garoto de 11 anos, sem comorbidades, que foi conduzido e morreu no Hospital Geral do Estado (HGE) em Maceió. Todos os outros mortos da lista possuíam 42 anos ou mais.

O boletim epidemiológico ainda confirmou o registro de 1.121 novos casos, resultando em um número total de 219,7 mil no estado desde o início da pandemia, resultando em 5,4 mil falecimentos.

Sobre a Covid-19

De acordo com as últimas informações divulgadas pelos órgãos de saúde, atualmente, o Brasil registra 18,8 milhões de pessoas infectadas, e as mortes em decorrência da doença já chegam em 524 mil no país.  

Em 1º de dezembro de 2019, o primeiro paciente apresentava sintomas do novo coronavírus em Wuhan, epicentro da doença na China, apontou um estudo publicado na revista científica The Lancet em fevereiro deste ano.  

De lá pra cá, a doença já infectou 184 milhões de pessoas ao redor do mundo, totalizando mais de 3,98 milhões de mortes, sendo mais de 524 mil delas apenas no Brasil, que está no terceiro lugar entre os países onde mais pessoas morreram por complicações da Covid-19.