Notícias » Curiosidades

Beberrona? O curioso drink de Carlota Joaquina

Além das intrigas políticas, mãe de d. Pedro I também era boa de copo

Fabio Previdelli Publicado em 18/12/2021, às 09h00

Carlota Joaquina de Bourbon
Carlota Joaquina de Bourbon - Domínio Público via Wikimedia Commons

Figuras peculiares, os avós de dom Pedro II — e, consequentemente, pais de Pedro I —, Carlota Joaquina e Dom João VI formavam um casal um tanto quanto incomum. 

Afinal, além de não se entenderem muito bem como parceiros, Dom João sempre sofreu com as intrigas políticas tramadas por sua esposa, que apoiou o filho, D. Miguel, em um Golpe de Estado contra o próprio pai na década de 1820. 

Outro ponto peculiar dos dois era a maneira exacerbada com que comiam, segundo explicam a historiadora portuguesa Ana Roldão e o jornalista Edmundo Barreiros no livro 'Banquetes Reais' (Zahar), publicado em 2008.

Dom João VI e Carlota Joaquina em pintura oficial / Crédito: Domínio Público via Wikimedia Commons

 

Conforme apontam, a mesa de jantar de cada um deles era composta por 12 pratos: o que incluía um cozido, dois assados, duas terrinas de sopa, duas massas, quatro guisados e um arroz, isso sem contar frutas, pão de queijo e goiabada.

Os banquetes iam além e dispunham de 30 pratos diferentes. De acordo com os autores, dom João VI, classificado como um “bom de garfo”,  foi o que mais se rendeu às iguarias tupiniquins. “Dom João descascava cinco mangas depois de comer três frangos”, revela a lusitana à Época. 

 "Vou reproduzir no livro um documento em que ele conta dos três ‘frangãos’, não frangões, que comia. Menciona o cozinheiro dele, Alvarenga, dizendo que ninguém sabia prepará-los como ele”, continua.

Eu vi a camisola de dom João… Dá para ver que ele era um homem grande e aí entende-se o tamanho de seu apetite”.

A corte portuguesa, inclusive, foi a responsável por reorganizar os horários das refeições por aqui. O almoço, por exemplo, era servido bem cedo, levando em consideração os costumes atuais: às 9 horas da manhã. Já o jantar estava pronto às 14h e a ceia às 19h. 

Carlota, entre o racismo e doses de cachaça

Carlota Joaquina, por sua vez, também tinha suas peculiaridades — contestáveis — em diversos aspectos de sua vida. 

Carlota, de acordo com Paulo Setúbal no livro ‘Os Bastidores da História’ (Companhia Editora Nacional), publicado em 1983, possuía um defeito ainda maior: um racismo imoderado: "Vou ficar cega quando chegar a Lisboa! Pudera! Vivi 13 anos no escuro, só vendo negros”, dissera ao embarcar de volta à Portugal.

Imagem ilustrativa/ Crédito: Pixabay

 

A mãe de Pedro I odiava tudo que fosse nacional, com a rara exceção do palmito, que chegou a enviar em um preparo feito na manteiga para seu irmão, o rei da Espanha Fernando VII, conforme aponta Eda Romio no livro ‘500 anos de Sabor - Brasil 1500-2000’ (ER Comunicações). 

Um dos motivos para tal aversão era o calor ‘infernal’ do Rio de Janeiro — o que lhe fazia entornar uma grande quantidade de cachaça. "Na Torre do Tombo, em Lisboa, um documento aponta que eram consumidas muitas unidades de aguardente de cana por mês, a maioria destinada ao quarto e à cozinha de Carlota”, diz Ana Roldão à Folha de S. Paulo. 

Ela tomava aguardente misturada com sucos de frutas frescas, pois sofria demais com o calor brasileiro. Tinha necessidade de hidratar o corpo. Mas não adianta só dizer que ela era pinguça. No cruzamento de informações, percebe-se que a alimentação das mulheres era carregada nos doces, o que explica [o alto consumo], porque a aguardente era usada para conservar compotas de fruta”, conclui.

+Saiba mais sobre a família imperial por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

D. Pedro II – A história não contada: O último imperador do Novo Mundo revelado por cartas e documentos inéditos, de Paulo Rezzutti (2019) - https://amzn.to/2qWOGw7

D. Leopoldina: a história não contada: A mulher que arquitetou a independência do brasil, de Paulo Rezzutti (2017) - https://amzn.to/2DsrmJt

Coleção Princesa Isabel. Fotografia do Século XIX , de Bia Correa do Lago e Pedro Correa do Lago (2013) - https://amzn.to/34ue8aO

Retratos do Império e do Exílio, de Vários Autores (2011) - https://amzn.to/35PKgWP

D. Pedro: Imperador do Brasil e rei de Portugal, de Eugénio dos Santos (2015) - https://amzn.to/34ySFO6

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W