Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Orleans e Bragança

Bisneto da princesa Isabel: Estado de saúde de Luiz de Orleans e Bragança é irreversível

Internado desde junho, herdeiro da família imperial já passou duas vezes pela UTI

Redação Publicado em 12/07/2022, às 18h26

Luiz de Orleans e Bragança, herdeiro da família imperial brasileira - Divulgação
Luiz de Orleans e Bragança, herdeiro da família imperial brasileira - Divulgação

Segundo a secretaria da Casa Imperial do Brasil, o estado de saúde de Dom Luiz de Orleans e Bragança, de 84 anos, um dos herdeiros da família imperial brasileira, é considerado irreversível pelos médicos.

Dom Luiz, bisneto da princesa Isabel, está internado desde 10 de junho no Hospital Santa Catarina, localizado na região central de São Paulo. Durante o tempo em que esteve lá, ele já teve duas passagens pela Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

Desde domingo, 10, o herdeiro está em um quarto. Ainda de acordo com a Casa Imperial, o descendente dos Orleans e Bragança teve poliomielite na infância e foi diagnosticado com Alzheimer recentemente.

Um comunicado da Casa Imperial publicado recentemente diz que "com o conforto dos Sacramentos da Santa Igreja e a Bênção Apostólica, a vida do Príncipe caminha agora serena e cristãmente para o desenlace”.

A família imperial

Depois de emitir um comunicado sobre as chuvas intensas que atingiram a cidade de Petrópolis, no Rio de Janeiro, em fevereiro deste ano, a família imperial do Brasil se envolveu em uma polêmica.

Em um texto divulgado pela Casa Imperial, os herdeiros diziam que a família estava "sempre disposta a servir ao seu povo", oferecendo "orações e solidariedade" à todas as vítimas.

Por outro lado, muitos criticaram a mensagem publicada nas redes sociais quando descobriram sobre o laudêmio, imposto que os moradores de Petrópolis pagam para a família Orleans e Bragança de acordo com a legislação em vigor, em que é aplicado o percentual de 2,5%, segundo informações do G1.