Notícias » Ucrânia

Brasileiro que fugiu da Ucrânia relembra invasão: 'Não tem como esquecer'

A Perfil Brasil entrevistou Albanir Roberto Szymanski, o ex-técnico do Coritiba

Redação Publicado em 27/02/2022, às 15h58

Albanir Roberto Szymanski
Albanir Roberto Szymanski - Divulgação/Vídeo/Perfil Brasil

Na última quinta-feira, 24, a Rússia invadiu a Ucrânia no que Vladimir Putin classificou como 'missão militar especial'. Segundo Volodymyr Zelensky, atual presidente do país, apenas no primeiro dia de invasão, o território ucraniano viu 137 mortes. 

Desde então, o mundo tem se deparado com cenas desesperadoras, que vão de um tanque passando por cima do automóvel de um civil até pessoas que tiveram de deixar as suas casas e buscar abrigo em estações de metrô. 

Desde o início do conflito, mais de 300 mil pessoas já deixaram suas casas na Ucrânia e, acordo com a ONU, mais de 116 mil deixaram o território ucraniano. Já sobre a situação dos brasileiros que vivem no local alvo da invasão, o governo Bolsonaro informo que conseguiu tirar 50 brasileiros e levar até países vizinhos. 

Um dos brasileiros que conseguiu sair do lugar que agora vivência cenas de guerra é Albanir Roberto Szymanski, ex-técnico do Coritiba. Em entrevista ao site da Perfil Brasil, ele relatou o momento da fuga para a Polônia. 

"Quando começou realmente essa invasão. Na quinta-feira (24) pela manhã nós acordamos com uma sirene muito forte de uma igreja ao lado de onde estávamos morando e nessa igreja tinha um alto-falante e a pessoa que estava falando, provavelmente o padre, só dizia 'iniciou a guerra'. Isso fez com que muitas pessoas ficassem apreensivas e desesperadas", explicou Albanir.

Confira a entrevista completa abaixo!