Notícias » Religião

Bruxas de Salém: o retorno

Entenda como o fundamentalismo religioso resultou numa série de julgamentos e execuções sem provas

Redação Publicado em 30/10/2019, às 15h51

None
- Wikimedia Commons

Em 14 de maio de 1878, a cidade de Salem, Massachusetts, acompanhou o último julgamento por bruxaria dos Estados Unidos. Ele ficou conhecido como o Segundo Julgamento por Bruxaria de Salem e recebeu muita atenção na época por ter acontecido na mesma cidade da caça às bruxas de 1692, quando mais de 150 pessoas foram presas e 25 morreram.

O julgamento surgiu a partir do movimento religioso Christian Science (Ciência Cristã), fundado por Mary Baker Eddy, em 1866. Os adeptos da religião acreditavam que o mundo material é uma ilusão e que as doenças são erros mentais, não distúrbios físicos. Por isso, os doentes deviam ser curados por meio de orações e hipnoses.

Daniel Spofford, um veterano da guerra civil americana, aderiu à Ciência Cristã em 1875, e passou a estudar formas de cura metafísica. Logo, ele se tornou um membro importante da comunidade em Massachusetts — praticava seus aprendizados em pessoas doentes e se referia a si mesmo como Doutor Daniel Spofford.

Em 1878, uma mulher chamada Lucretia Brown, de 50 anos, que vivia em Ipswich, a cerca de 20 quilômetros de distância de Salem, acusou Spofford de tentar machucá-la usando mesmerismo. Durante a infância, uma lesão na coluna havia deixado Lucretia paralítica, e ela afirmava que estava sendo curada por meio da Ciência Cristã. Após sofrer duas recaídas, em 1877 e 1878, acusou Spofford de prejudicar sua saúde, utilizando seus poderes hipnóticos para o mal.

Spofford teria usado seus poderes para regredir a recuperação de Lucretia / Crédito: Wikimedia Commons

O julgamento começou em 14 de maio de 1978, e 21 membros da Ciência Cristã testemunharam contra Spofford, incluindo Mary Baker Eddy. Três dias depois, o advogado de Spofford, Amos Noyes, contestou o tribunal, argumentando que a corte não tinha jurisdição no caso.

O juiz Horace Gray afirmou que a acusação era vaga e arquivou o caso. A corte decidiu ainda que não estava claro como poderia impedir que Spofford usasse seus poderes, mesmo que ele fosse preso.

O caso ganhou muita atenção da mídia, principalmente dos jornais Boston Globe, Newburyport Herald e Salem Observer, e foi relacionado à caça as bruxas de Salem. O julgamento de Spofford ficou conhecido como uma das sessões de tribunal mais bizarras que já aconteceram nos Estados Unidos.


Saiba mais sobre bruxaria através das obras abaixo

1. História da Bruxaria: Feiticeiras, hereges e pagãs, de Jeffrey B. Russell - https://amzn.to/31Pj73W

2. As bruxas: Intriga, traição e histeria em Salem, de Stacy Schiff - https://amzn.to/2MHwS00

3. Mulheres E Caça Às Bruxas, de Silvia Frederici - https://amzn.to/32M8gJk

4. Caliba e a Bruxa, de Silva Federici - https://amzn.to/2N35kB6

5. Bíblia das Bruxas, de Janet Stewart - https://amzn.to/33WEhyk

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página. ​