Notícias » Arqueologia

Caçadores de tesouros encontram 1.061 artefatos no País de Gales e na Inglaterra

Entre essas mais de mil peças, 29 podem ser consideradas pela lei The Treasure Act, para descobertas de valor diferenciado

Vanessa Centamori Publicado em 05/06/2020, às 13h41

Imagem de moedas preciosas
Imagem de moedas preciosas - Divulgação

O Museu Britânico anunciou que caçadores de tesouro de Wiltshire e Swindon encontraram no ano passado 1.061 artefatos na Inglaterra e no País de Gales — sendo que 29 deles podem ser considerados tesouros. O número total de achados é 6% a mais que o do ano anterior. 

Segundo a lei The Treasure Act, introduzida em 1997, somente as descobertas com mais de 300 anos podem ser consideradas tesouros. Isso inclui moedas, objetos metálicos pré-históricos e itens que têm pelo menos 10% de metais preciosos, como ouro ou prata.

Todas as descobertas desse tipo são processadas pelo Museu Britânico. Depois, elas passam por especialistas, que definem se o objeto entra ou não sob a classificação de tesouro. 

Moedas antigas encontradas perto de Marlborough, na Inglaterra / Crédito: Divulgação 

 

Ian Richardson, registrador de tesouros da entidade, contou, em comunicado, que o objetivo da Lei do Tesouro é "permitir que importantes objetos arqueológicos sejam adquiridos pelos museus, para o benefício de todos". "É agradável ver museus locais interessados ​​em adquirir várias dessas descobertas se forem declaradas tesouro", disse Richardson. 

Os amadores da história que encontrarem algo que possa ser valioso devem se dirigir até as autoridades britânicas dentro de duas semanas, para que o tribunal responsável possa realizar um inquérito para decidir quem deve ficar com o artefato. Não tomar esse procedimento resulta em multas ou até três meses de prisão. Além disso, o Museu Britânico aconselha os aventureiros a seguirem as leis locais que envolvem a detecção de metais.