Notícias » Pré-História

Caçadores do paleolítico não fugiam dos invernos congelantes do norte da Europa, afirma estudo

Segundo nova pesquisa, os indivíduos usavam peles de animais como a raposa do Ártico para sobreviverem

Isabela Barreiros Publicado em 08/09/2020, às 13h51

Pesquisadores analisando ossos encontrados no norte da Polônia
Pesquisadores analisando ossos encontrados no norte da Polônia - Divulgação/Universidade de Exeter

Um novo estudo publicado na revista científica Journal of Archeological Science: Reports revelou uma novidade a respeito de antigos caçadores que viviam no norte da Europa. Há cerca de 27.500 anos, esses indivíduos não deixavam o território congelante devido ao inverno, mas sim utilizavam peles de animais para sobreviver.

"Nossa pesquisa mostra que os climas de inverno rigoroso da última era do gelo não eram uma barreira para a atividade humana na área. Os caçadores fizeram escolhas muito específicas sobre onde e quando matar sua presa”, explicou o líder da pesquisa, Alexander Pryor, da Universidade de Exeter, na Inglaterra.

Os pesquisadores investigaram um dos maiores sítios arqueológicos que remontam ao Paleolítico Superior na Europa Central, um local chamado de Cracóvia Spadzista, localizado no sul da Polônia. 

Próximo à região, encontraram aproximadamente 2.400 ossos de raposas árticas, além de uma grande concentração de restos mortais de pelo menos 100 mamutes lanosos. “Os números elevados de restos de raposas encontrados no local sugere que o que estava acontecendo era uma estratégia de aquisição deliberada e organizada, em vez de uma simples caça acidental”, afirmou o especialista. 

Segundo Pryor, "a raposa do Ártico fornecia comida e peles para os caçadores do Paleolítico, com seus casacos de pele atingindo o comprimento total por volta do início de dezembro”. “Eles também armazenavam reservas substanciais de gorduras corporais sazonalmente que são maiores do final do outono até o inverno e não começam a se esgotar seriamente até o início da primavera”, explicou.