Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Brasil

Campanha online ajuda professor vítima de tragédia em Petrópolis

Após perder toda sua família nas chuvas, Alessandro Garcia tem sido acolhido na internet e apoiado monetariamente

Pedro Paulo Furlan, sob supervisão de Pamela Malva Publicado em 23/02/2022, às 22h00

O professor de sociologia, Alessandro Garcia, e sua filha - Divulgação / Arquivo Pessoal
O professor de sociologia, Alessandro Garcia, e sua filha - Divulgação / Arquivo Pessoal

Nas chuvas, deslizamentos e enchentes que assolaram Petrópolis na última semana, resultando na maior tragédia na história da cidade, com mais de 180 mortos, o professor Alessandro Garcia, de 38 anos, perdeu seus dois filhos, a esposa e os sogros, tudo isso junto com a destruição de sua casa.

Porém, Garcia não está tendo que aguentar isso sozinho. Sua família e amigos, para ajudar o professor de Sociologia, criaram um projeto de financiamento na internet, a partir do qual sua história viralizou. Alessandro, agora, tem recebido apoio emocional e econômico para aguentar esse momento difícil.

De acordo com o portal de notícias O Globo, Alessandro Garcia agradeceu a participação de brasileiros de todo o país e expressou o quanto valoriza cada acolher que tem recebido desde a tragédia em Petrópolis.

Ainda não tenho condições de falar muito, mas não tem preço toda acolhida que tem me envolvido. Não sei o que seria de mim se estivesse sozinho numa hora dessas", afirmou o professor.

A história de Alessandro é muito triste, especialmente porque o professor se culpa pela morte das crianças, principalmente do menino de 5 anos, Bento, que se encontrava em seu colo no momento em que a enxurrada de lama e destroços atingiu a casa da família. Garcia sofreu choque emocional intenso e saiu das ruínas achando que segurava o filho.

Sofrendo sentimentalmente e com muita adrenalina em seu corpo, Alessandro conseguiu chegar na casa de um parente, e foi somente no próximo dia que descobriu o destino de sua família e o fato de que ambas suas pernas estavam quebradas. Uma prima de Carolina, esposa do professor, descreveu como ele se sentiu.

O Bento estava no colo do pai quando tudo aconteceu. E ele [Alessandro] agora se culpa como se não tivesse segurado o filho forte o suficiente. Mas isso não existe, é claro”, narrou ela.

Além disso, o corpo de seu filho foi encontrado no meio do funeral de Carolina e Sophia, filha de Alessandro, dificultando ainda mais a situação emocional do professor. Alessandro Garcia desabafou nas redes sociais sobre como são seus amigos e parentes que o mantém são após essa tragédia.

Acabei de chegar do enterro da Carol e da Sophia. Dois terços do meu coração ficaram lá... a última parte foi encontrada faz pouco", lamentou o professor. "A dor é enorme. Não fosse a família e os amigos eu nem de pé conseguiria estar."