Notícias » Internacional

Campos de golfe poderiam abrigar casas para 300.000 pessoas em Londres, revela estudo

A Grã-Bretanha acomoda um quarto de todos os campos de golfe da Europa

Luíza Feniar Migliosi Publicado em 26/08/2021, às 12h43

The Shire London em 2020
The Shire London em 2020 - Getty Images

Em Londres, há espaço nos campos de golfe de propriedade pública para abrigar 300.000 pessoas, segundo nova pesquisa. Cerca de metade dos 94 campos de golfe ativos da capital são propriedade de bairros de Londres ou outros órgãos públicos e ainda atendem a uma pequena fração dos 9 milhões de residentes da cidade, segundo o jornal The Guardian.

Russell Curtis, arquiteto e autor de “Golf Belt”, novo estudo sobre como os campos de golfe de Londres podem ajudar a enfrentar a crise imobiliária, relatou que não está pedindo que todos os campos da capital fossem transformados em moradias.

Ele sugere que alguns poderiam tornar-se mais acessíveis aos residentes da capital se fossem transformados em loteamentos, espaços verdes com biodiversidade, instalações esportivas ou fazendas urbanas.

“Esta não é uma guerra contra o golfe”, disse Curtis em entrevista ao The Guardian.

“Certamente deve haver uma maneira de melhorar a utilidade social e acessibilidade dos campos de golfe para beneficiar a população em geral. A reconstrução de campos de golfe é sempre apresentada como uma escolha binária entre belos campos verdes ou de concreto, mas há um modelo no meio onde você pode fornecer novas casas e infraestrutura social enquanto obtém ganho de biodiversidade”, acrescentou.

De acordo com o estudo, a Grã-Bretanha abriga um quarto de todos os campos de golfe da Europa, com um em cada 20 localizado em Londres, apesar da capital representar apenas 0,65% da área total do Reino Unido.

Os 43 campos de golfe de propriedade pública ocupam pouco menos de 1.600 hectares de terra na Grande Londres, maior do que o bairro de Hammersmith & Fulham, que tem uma população de 185.000.

O bairro de Enfield, norte de Londres, contém, sozinho, sete campos, mas o município recebe apenas £13.500 do clube de golfe Enfield a cada ano para alugar a área de 39 hectares - menos do que o aluguel anual típico para um apartamento de dois quartos na área.

Atualmente, o conselho de Enfield está debatendo sobre um polêmico plano local que inclui a liberação de um cinturão verde para 6.000 casas, incluindo pelo menos 3.000 casas ao redor da estação ferroviária de Crews Hill, que atualmente contém campos abertos, centros de jardim e um campo de golfe.

Construir a uma densidade de 60 casas por hectare em campos de golfe de propriedade pública, que se enquadra em áreas designadas como adequadas para um maior desenvolvimento pelo plano local do prefeito de Londres, forneceria casas para 101.700 pessoas - mais da metade das 178.000 pessoas vivendo em acomodações temporárias na cidade. De acordo com Curtis, a área atualmente ocupada por um único jogador de golfe pode abrigar cerca de 380 pessoas.

A petição

O ativista Guy Shrubsole lançou uma petição para abrir campos de golfe urbanos ao público para exercício durante o primeiro lockdown, uma medida feita por algumas autoridades locais, como o conselho municipal de Brighton & Hove.

Em 2019, o conselho de Lewisham transformou um campo de golfe em Beckenham Place Park, um novo espaço público para londrinos com um lago para nadar, habitats de vida selvagem e uma pista de corrida e ciclismo de 5 km.

Shrubsole, autor de Who Owns England? (“Quem é o dono da Inglaterra?”, em tradução livre), declarou que o lockdown demonstrou a desigualdade de acesso a espaços verdes nas cidades. “Com grande parte de Londres dedicada a campos de golfe usados ​​apenas por um pequeno segmento da sociedade, certamente os conselhos deveriam reaproveitá-los como parques públicos e reservas naturais, com acesso aberto para todos.”

A capacidade dos parques de servirem mais pessoas do que os campos de golfe é ilustrada pelo estudo Golf Belt, que calculou que um campo de 18 buracos pode acomodar apenas 72 jogadores por vez, permitindo um máximo de 216 jogadores em um campo em um típico verão dia.

Se os 166 hectares do Regent's Park se tornassem um campo de golfe, ele só poderia ser usado por 314 pessoas por dia. O parque recebeu mais de 26.000 visitantes por dia em 2007.

De acordo com o England Golf, órgão regulador do golfe amador, 40.000 membros jogam nos 94 clubes de Londres e até 160.000 pessoas adicionais usam os campos em regime de “pague conforme joga”.

Embora conselhos como Enfield estejam buscando liberar terrenos do cinturão verde para habitação, os regulamentos de planejamento protegem a maioria dos campos de golfe de Londres de serem construídos porque eles são cinturões verdes ou designados como "áreas abertas metropolitanas", uma forma de proteção exclusiva da capital.

Sadiq Khan, prefeito de Londres, sinalizou sua determinação em proteger o cinturão verde, mas Russell Curtis, que é um dos 50 defensores do design indicados pelo prefeito para apoiar o desenvolvimento sustentável, questionou se os campos de golfe atendem à definição de área aberta metropolitana. Os critérios incluem o fornecimento de instalações ao ar livre que “atendam a toda ou partes significativas de Londres”.

Para Curtis, mudar o uso e consolidar alguns campos de golfe pode ajudar os clubes em dificuldades e permitir que construam melhores instalações para suas comunidades. “Espero que daí saia uma discussão que envolva os clubes também”, afirmou. “É muito difícil e emocionante porque não se trata apenas de planejamento, mas de propriedade e - sejamos honestos - de classe também. Essa terra poderia ser pensada de uma forma mais criativa”.