Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Reino Animal

Caranguejo que carrega esponja como chapéu intriga cientistas na Austrália

Espécie foi descoberta recentemente e batizada em homenagem ao navio que transportou Charles Darwin pelo mundo

Redação Publicado em 20/06/2022, às 10h00

Caranguejo da espécie Lamarckdromia beagle - Divulgação/Colin McLay/Museu da Austrália Ocidental
Caranguejo da espécie Lamarckdromia beagle - Divulgação/Colin McLay/Museu da Austrália Ocidental

Cientistas descobriram uma nova espécie de caranguejo na costa da Austrália após uma família encontrar um espécime em uma praia e enviá-lo ao Museu da Austrália Ocidental para identificação.

O crustáceo possui uma forma peculiar: ele é “fofo” por possuir uma espécie de “cabelo” em seu corpo e usa uma esponja do mar — ou ascídia — como chapéu, aparando as criaturas e utilizando-as para proteção, da mesma forma como os caranguejos eremitas usam conchas.

O animal, comumente conhecido como “caranguejo esponja” foi nomeado Lamarckdromia beagle, pertencente à família Dromiidae. Seu nome é uma homenagem ao navio HMS Beagle, que transportou Charles Darwin ao redor do mundo.

Um artigo publicado na revista Zootaxa descreve a descoberta, assim como outras 31 espécies de caranguejo-esponja famosas por serem encontradas nas águas da Austrália Ocidental, o que, inclusive, causou certa confusão na identificação.

Caranguejos na Austrália

Segundo Andrew Hosie, curador de crustáceos e vermes do Museu da Austrália Ocidental, e Colin McLay, biólogo marinho associado à Universidade de Canterbury, na Nova Zelândia, o espécime trazido pela família foi comparado com outros caranguejos da coleção do museu.

Eles descobriram que alguns deles não haviam sido identificados ou identificados erroneamente — o primeiro exemplo de L. beagle remonta de 1925, por exemplo. Foi a partir disso que os pesquisadores o descreveram como uma nova espécie, entre os três caranguejos-esponja do gênero Lamarckdromia.

No entanto, os dois ainda não sabem explicar o motivo pelo qual esse espécime é tão “fofo”: “A esponja ou a ascídia que essas coisas carregam deve oferecer toda a camuflagem de que precisa. Espero que ter as pernas extra macias signifique que o contorno seja ainda mais obscurecido”, explicou Hosie.

“O cabelo não ajuda a segurar a esponja. Não é como se fosse velcro, ao contrário de alguns... caranguejos-aranha que colocam algas nas costas — seus cabelos são enganchados e rígidos como velcro”, acrescentou, segundo o The Guardian.

Quanto às esponjas usadas como chapéu, ele destacou que o animal conta com patas traseiras adaptadas para segurá-lo. “A esponja ou ascídia continua crescendo e se moldará ao formato das costas do caranguejo. Forma uma bela tampa que se encaixa perfeitamente no topo do caranguejo”, completou.