Notícias » EUA

Casal decide cobrar pessoas que faltaram em cerimônia de casamento

Caso viralizou nas redes sociais; dupla justificou a decisão

Redação Publicado em 30/08/2021, às 08h00

Imagem meramente ilustrativa
Imagem meramente ilustrativa - Imagem de Free-Photos por Pixabay

O casamento de Doug Simmons, 44 anos, e Dedra McGeem de 43 anos, foi marcado por um episódio curioso.

Acontece que o casal chamou a atenção dos internautas após uma foto mostrar que a dupla não deixou barato para convidados que faltaram a cerimônia.

Como confirmaram presença e não compareceram no dia do casamento, a dupla optou por cobrar o montante que se refere a presença dessas pessoas.

 “Esta fatura está sendo enviada a você porque você confirmou o(s) assento (s) na recepção do meu casamento. Como você não ligou ou nos deu a devida notificação de que não compareceria, este valor é o que você nos deve pelo pagamento antecipado de seu (s) assento (s). Você pode pagar via Zelle ou PayPal. Entre em contato conosco e informe qual método de pagamento funciona para você. Obrigado!", diz a fatura emitida pelo casal, com foto divulgada através das redes sociais.

Como consequência, um total de 240 dólares (aproximadamente 1.250 reais) fora solicitado para suprir o prejuízo dos convidados que faltaram a festança ocorrido no Royalton Negril Resort & Spa, na Jamaica.

Sem respostas

Procurados pelo NY Post após a publicação viralizar, Doug garantiu que não faz o tipo de cobrar pessoas, no entanto, a situação o chateou.

[Colocar ALT]
Crédito: Divulgação/Twitter

Ele, que é empresário, relata que, assim como sua mulher, se sentiu desrespeitado diante das pessoas que confirmaram a presença no evento, contudo, acabaram não comparecendo.

“Nós confirmamos quatro vezes. Perguntamos a eles:‘ Você está disponível para vir, você pode ir?’, E eles continuaram dizendo ‘Sim ’”, explicou o noivo ao veículo jornalístico. “Tivemos que pagar adiantado. O casamento foi realizado na Jamaica”

Também fora ressaltado que os convidados que não compareceram não mandaram, ao menos, uma mensagem com justificativa.

 “Ninguém me disse ou me mandou uma mensagem: ‘Ei, não podemos ir. Era isso que eu estava pedindo. Se você me disser que não pode vir, eu seria compreensivo, mas não falaram nada. Eu levei isso para o lado pessoal”.