Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Henry Borel

Caso Henry: Justiça determina volta de Monique à prisão

Decisão ocorreu nesta terça-feira pelo Tribunal de Justiça do Rio

Redação Publicado em 28/06/2022, às 19h11

Monique Medeiros durante audiência - Divulgação / TJRJ
Monique Medeiros durante audiência - Divulgação / TJRJ

Nesta terça-feira, 28, o TJ-RJ (Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro) decidiu hoje pela volta de Monique Medeiros, mãe de Henry Borel, à prisão. Monique é acusada pela morte do filho e estava em prisão domiciliar desde abril, por decisão da 2ª Vara Criminal. O ex-vereador Dr. Jairinho (sem partido), ex-namorado da pedagoga, também é réu no mesmo processo e está preso desde 8 de abril de 2021.

A 7ª Câmara Criminal do TJ-RJ aceitou hoje, em segunda instância, o recurso apresentado pelo MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro). Agora, ela deve voltar a uma unidade prisional —da Polícia Militar ou do Corpo de Bombeiros, devido às ameaças relatadas na prisão.

De acordo com o TJ-RJ, o desembargador relator do julgamento do recurso, Joaquim Domingos de Almeida Neto, disse que o local sigiloso impede fiscalização do MP-RJ e “dificulta que o Estado possa assegurar sua integridade”.

Ameaças na decisão                                

A juíza Elizabeth Louro exigiu, na decisão de 5 de abril, que Monique apenas falasse com advogados ou familiares durante a prisão domiciliar e que não fizesse publicações em nenhuma rede social. A magistrada citou ameaças que a mãe de Henry relatou estar sofrendo na cadeia. "O ambiente carcerário, no que concerne à acusada Monique, não favorece a garantia da ordem pública”, comentou ela.

Para revogar a prisão domiciliar, Almeida Neto também considerou as acusações contra Monique, por tortura e assassinato. Ele questionou a falta de investigações sobre as ameaças relatadas por Monique, segundo o Uol. Os advogados Hugo Novais e Thiago Minagé, responsáveis pela defesa dela, afirmaram que irão apresentar recursos extraordinários nos tribunais superiores.