Notícias » Estados Unidos

Caverna sagrada com arte indígena de mil anos é vendida em leilão

“É como leiloar a Capela Sistina”, disse pesquisadora do local, que fica no Missouri

Isabela Barreiros, sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 15/09/2021, às 10h39

Paredes da “Picture Cave”, no Missouri, EUA
Paredes da “Picture Cave”, no Missouri, EUA - Divulgação/Youtube/Michael Fuller

Na última terça-feira, 14, a Nação indígena Osage recebeu com tristeza a notícia de que a caverna conhecida como “Picture Cave” foi vendida em leilão. O local, considerado sagrado pelos povos indígenas locais, foi adquirido por um licitante vencedor que não quis ser identificado. 

Perto da cidade de Warrenton, no Missouri, Estados Unidos, a caverna contém obras de arte nativas americanas de mais de mil anos.

São mais de 290 glifos pré-históricos, o que é “a maior coleção de pinturas policromadas de povos indígenas no Missouri”, segundo o site da casa de leilão Selkirk Auctioneers & Appraisers. 

Glifo na parede da caverna / Crédito: Divulgação/Youtube/Michael Fuller

 

Líderes da Nação Osage se posicionaram contra a venda em um comunicado divulgado recentemente. Eles afirmaram que esperavam comprar a terra “proteger e preservar nosso local mais sagrado”, como relatou o jornal The Guardian, considerando ainda a venda "verdadeiramente comovente".

“Nossos ancestrais viveram nesta área por 1.300 anos”, escreveram na nota. “Esta era a nossa terra. Temos centenas de milhares de nossos ancestrais enterrados em todo Missouri e Illinois, incluindo na ‘Picture Cave’”. 

Além das obras de arte, que representam uma série de figuras diferentes como pessoas, animais, pássaros e criaturas míticas, o local contou, ao longo dos anos, com rituais sagrados e sepultamento dos mortos das comunidades indígenas que habitaram a região. 

Críticas à venda também vieram dos especialistas Carol Diaz-Granados, pesquisadora da Universidade de Washington em St Louis, e James Duncan, estudioso da história oral de Osage, que estudaram a caverna por 20 anos e inclusive escreveram um livro sobre o tema. 

“Leiloar um local sagrado de índios americanos realmente envia a mensagem errada”, afirmou Diaz-Granados. “É como leiloar a Capela Sistina. Essa é a caverna deles. Esse é o santuário sagrado deles, e deve voltar para eles."

A caverna foi vendida pela Selkirk Auctioneers & Appraisers por US $ 2,2 milhões, cerca de R$ 11,5 milhões, junto ao terreno montanhoso de 17 hectares que cercam o local que fica a 97 km da cidade de St Louis.