Notícias » Entretenimento

Cinebiografia The Post – A Guerra Secreta é disponibilizada na Netflix

Filme conta o escândalo do Pentagon Papers em 1971, quando o jornal The Washington Post expôs 14 mil páginas sobre o controverso envolvimento do Exército dos EUA na Guerra do Vietnã

Isabela Barreiros Publicado em 09/09/2020, às 13h46

Divulgação do filme
Divulgação do filme - Divulgação/Netflix

Em 1971, o mundo entrou em choque ao saber mais detalhes da atuação dos Estados Unidos durante a Guerra do Vietnã. Expondo principalmente o envolvimento do país com o conflito entre os anos de 1945 e 1967, os documentos, que ficaram conhecidos como Pentagon Papers (documentos do Pentágono, em tradução livre), eram compostos por 14 mil páginas.

Os papéis foram produzidos a partir de uma Força-Tarefa de Estudos do Vietnã criada pelo secretário de Defesa dos EUA Robert McNamara em 17 de junho de 1967. A ideia era narrar com clareza toda a guerra, especialmente no que diz respeito aos estadunidenses. 

Em 18 de junho de 1971, o jornal The Washington Post decidiu que começaria a publicar reportagens baseadas nos Pentagon Papers, expondo as controvérsias dos militares envolvidos no conflito e também dos próprios membros do governo que não revelaram tudo sobre o que estava acontecendo. 

Até mesmo o procurador-geral assistente dos EUA, William Rehnquist pediu ao jornal que parasse com a série de artigos, mas isso não aconteceu. Esse episódio na história estadunidense ficou muito conhecido e relembrou a importância do jornalismo no contexto político.

Crédito: Divulgação/Netflix

 

Esse escândalo é contado na cinebiografia The Post - A Guerra Secreta (2017), dirigida pelo cineasta Steven Spielberg. O filme foi lançado em 2017 e já naquele ano ganhou o prêmio de Melhor Filme de 2017 pela National Board of Review.

Agora disponibilizada na Netflix, a produção conta com um elenco de fôlego, com Tom Hanks como editor do The Washington Post, Ben Bradlee, Meryl Streep como Key Graham, também editora do jornal e Bob Odenkirk interpretando o repórter responsável pelo furo, Ben Bagdikian.