Notícias » Crimes

Cocriador de Mistérios sem Solução, da Netflix, revela novos detalhes do caso Rey Riviera

Em entrevista ao podcast da plataforma de streaming, Terry Dunn Muerer comenta enigmático crime ocorrido em 2006

Fabio Previdelli Publicado em 05/08/2020, às 17h48

Fotografia de Rey Rivera em uma piscina
Fotografia de Rey Rivera em uma piscina - Divulgação/Netflix/Mistérios sem Solução (2020)

Desde que estreou no mês passado na Netflix, a série documental Mistérios sem Solução deixou os espectadores afoitos por novas informações sobre os casos apresentados na produção.

Desta vez, os produtores da série lançaram nova luz sobre o assassinato de Rey Riviera — que desapareceu em maio de 2006 após receber uma misteriosa ligação telefônica. Na ocasião, Riviera saiu às pressas de sua casa e só foi encontrado dias depois, morto, em uma sala de sala de conferências do luxuoso Belvedere Hotel.

Em um primeiro momento, a polícia suspeitava que a morte de Rey se tratava de um suicídio, mas havia uma falta de evidências concretas e vários fatores bizarros, como uma anotação que ele deixara no computador, sugeriam o contrário.

Adicionando outra camada ao mistério, o cocriador e showrunner Terry Dunn Muerer revelou uma nova informação sobre o caso. Em entrevista ao podcast da Netflix, You Can’t Make This Up, Muerer disse que alguém lhe perguntou sobre os computadores de Rivera depois que eles foram levados à delegacia para investigação.

"Quando Allison [esposa de Riviera] foi à delegacia para pegar o computador de Rey, o detetive mencionou que alguém havia telefonado algumas vezes e pediu para pegar os computadores”. Ele informou que essa pessoa: “estava muito interessada na situação dos computadores. E isso deixou Alison muito preocupada”.

No dia do seu desaparecimento, Terry conta que uma pessoa desconhecida também ligou para Rey do trabalho, e pede para que ela revele quaisquer informações que possam colaborar com o caso. "Uma das partes mais desconcertantes deste caso é alguém ter telefonado para Rey e nunca aparecer", acrescentou. "Gostaríamos que alguém se apresentasse e nos dissesse o que era essa ligação".