Notícias » Europa

Como Meghan e Harry: Princesa da Noruega revela que namorado sofreu racismo

“Nós dois recebemos ameaças de morte por estarmos juntos”, revelou Martha Louis em entrevista à revista dinamarquesa VG

Fabio Previdelli Publicado em 14/04/2021, às 14h13 - Atualizado às 17h15

Martha Louis ao lado de Durek Verrett
Martha Louis ao lado de Durek Verrett - Divulgação

No início de março passado, a entrevista de Meghan Markle à Oprah Winfrey relatando o racismo que sofreu, como mostrou matéria da equipe do site do Aventuras na História, ganhou as manchetes dos noticiários de todo o mudo. Porém, atos preconceituosos parecem não fazer parte apenas da monarquia britânica.  

Por lá, essa discussão começou na semana passada, quando a princesa Martha Louise, a quarta na linha de sucessão ao trono, foi entrevistada pela revista norueguesa VG. Entre seus comentários, Martha disse que planeja se mudar para os Estados Unidos com seu namorado, o xamã Durek Verrett, que é negro, para fugir do racismo que ele sofre.  

Os casos começaram há cerca de um ano, o que culminou com ela criando uma conta no Instagram para compartilhar reflexões, parte de sua rotina e, é claro, denunciar o racismo sofrido por Verrett. “Eu, como pessoa branca, preciso crescer, me educar e melhorar, e passar de ser contra o racismo, a ser antirracista”, disse em uma de suas publicações. 

Com sua relação com Durek, Louise também disse que percebeu que o racismo não está apenas nas situações mais óbvias, mas também em pequenos gestos como, por exemplo, quando as pessoas fogem dele ou seus amigos acreditam que tudo que ele diz é mentira.  

“As palavras que murmuram baixinho, deixando perfeitamente claro que não teria um lugar natural na mesa. Pessoas em cargos importantes dizendo ‘Como você se atreve a pensar que vou tocar na sua mão?’, quando ele a estende para desejar boa noite [coisa que aconteceu antes da pandemia da Covid-19]”, relatou.  

Além disso, os pais de Martha não aceitaram a união. Além do racismo, explica, o fato de Durek ter o título de xamã também os incomoda. “Nós dois recebemos ameaças de morte por estarmos juntos e não passa uma semana sem que nos digam que envergonhamos nosso povo e nossas famílias por termos escolhido um ao outro”.

**Errata: A reportagem errou ao afirmar que se tratava da monarquia da Dinamarca na chamada. O conteúdo foi alterado.