Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Estados Unidos

Como um jogo online salvou uma mulher feita de refém

O caso que aconteceu em Chicago, nos Estados Unidos, chamou a atenção; entenda

Pedro Paulo Furlan, sob supervisão de Penélope Coelho Publicado em 12/02/2022, às 09h14

Imagem ilustrativa do video game online Wordle - Getty Images
Imagem ilustrativa do video game online Wordle - Getty Images

Há uma semana, no dia 5 de fevereiro, a senhora Denyse Holt, de 80 anos, sofreu com uma saga peculiar. Na cidade de Chicago, nos Estados Unidos, a mulher foi mantida refém por um homem, que a polícia acredita sofrer de um distúrbio mental. A idosa só foi resgatada pois não compartilhou sua pontuação em um jogo online.

O game Wordle, jogado diariamente por Denyse, envolve a adivinhação de palavras de cinco letras com apenas seis tentativas — e há a opção de compartilhar os seus pontos nas redes sociais, algo que a idosa fazia sempre. No entanto, no último domingo, 6, Holt não fez esta publicação e sua filha, Meredith, começou a se preocupar.

De acordo com Meredith Holt, sua mãe seguia uma rotina específica e qualquer mudança para fora dela era muito incomum, por isso, percebeu que Denyse não compartilhou seu Wordle do dia.

Ligando para a polícia, a filha explicou o caso, que foi averiguado no domingo, quando descobriram que a senhora estava sendo mantida refém.

O responsável era James H. Davis III, um homem de 32 anos, que quebrou uma das janelas da casa de Denyse Holt para entrar na casa. Coberto de cortes e sangue, além de estar completamente nu, Davis apontou uma tesoura para a idosa de 80 anos e a forçou a tomar banho junto a ele.

Após um impasse de uma hora, a polícia teve de incapacitar James H. Davis III com uma arma de choque e, com isso, o homem está sendo acusado de arrombamento, entrada com arma mortal e sequestro agravado.

Segundo a cobertura do portal de notícias g1, Denyse Holt afirmou que teve muito medo, mesmo que o agressor tenha a garantido que não iria machucá-la: “Achei que não ia sobreviver”, disse a vítima em entrevista a emissora CBS.