Notícias » Arqueologia

Comparado com dragões: Estudo analisa nova espécie de pterossauro

O fóssil do réptil voador foi encontrado em 2011, porém apenas recentemente a pesquisa sobre ele foi finalizada; confira detalhes!

Ingredi Brunato, sob supervisão de Fabio Previdelli Publicado em 10/08/2021, às 14h08

Ilustração feita por especialistas de como réptil voador teria sido quando vivo
Ilustração feita por especialistas de como réptil voador teria sido quando vivo - Divulgação / Universidade de Queensland

Um fóssil de uma nova espécie de pterossauro encontrado na Austrália é o maior já descoberto na região. O estudo que analisou os ossos do réptil voador de 105 milhões de anos atrás foi publicado na última segunda-feira, 9, no Journal of Vertebrate Paleontology, e repercutido pela CNN.

O predador pré-histórico possuía asas com quase sete metros de envergadura e uma mandíbula intimidadora. Esse gigante dos ares chegou a ser comparado com monstros da ficção pelos cientistas, como dragões. 

"É a coisa mais próxima que temos de um dragão da vida real. Era essencialmente apenas um crânio com um pescoço longo, aparafusado em um par de asas longas. Esse ser teria sido bastante selvagem. Teria lançado uma grande sombra sobre algum pequeno dinossauro trêmulo que não teria ouvido até que fosse tarde demais”, afirmou Tim Richards, um dos principais autores da pesquisa, através de um comunicado repercutido pela CNN. 
Fotografia mostrando Tom Richards em frente à mandíbula do pterossauro / Crédito: Divulgação/ Universidade de Queensland

 

A destemida espécie de pterossauro foi batizada pelos especialistas de Thapunngaka shawi, nome que homenageia tanto o homem que descobriu o fóssil em 2011, Len Shaw, quanto os nativos que moravam no território em que os ossos estavam enterrados. 

O achado ainda pode trazer outras contribuições à área da paleontologia, uma vez que é difícil encontrar fósseis preservados de pterossauros, por conta de seus ossos ocos terem uma tendência a se decomporem mais rápido. 

"Pelos padrões mundiais, o registro de pterossauros australianos é pobre, mas a descoberta de Thapunngaka contribui muito para nossa compreensão da diversidade de pterossauros australianos”, explicou Richards ainda. 

Saiba mais detalhes sobre o estudo clicando aqui.