Busca
Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaYoutube Aventuras na HistóriaTiktok Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Brasil

Condenados por tentativa de Golpe de Estado quebraram tornozeleira e fugiram do país

Pelo menos dez condenados por tentativa de Golpe de Estado, após invasão aos Três Poderes em 8 de janeiro, fugiram do Brasil, aponta levantamento do UOL

Fabio Previdelli

por Fabio Previdelli

fprevidelli_colab@caras.com.br

Publicado em 14/05/2024, às 10h51

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Bolsonaristas invadindo o Congresso - Reprodução/Video
Bolsonaristas invadindo o Congresso - Reprodução/Video

Pelo menos dez manifestantes golpistas de extrema-direita, que participaram de uma tentativa de Golpe de Estado ao invadirem a sede dos Três Poderes em 8 de janeiro do ano passado, quebraram suas tornozeleiras eletrônicas para fugirem do país. O caso diz respeito a um grupo de militantes bolsonaristas condenados ou investigados pelo ato. 

Segundo levantamento feito pelo UOL, 51 pessoas suspeitas de participarem da ação golpista possuem mandado de prisão em aberto ou fugiram do país após quebrarem suas tornozeleiras eletrônicas. A reportagem informou que dez delas deixaram o país este ano, em fugas pelas fronteiras de Santa Catarina e Rio Grande do Sul com destino ao Uruguai e Argentina. 

Do grupo, sete já haviam sido condenados pelo Supremo Tribunal Federal (STF) por tentativa de Golpe de Estado e teriam que passar mais de dez anos presos. Seis são mulheres, com média de idade de 50 anos, e a maioria é residente do sul e sudeste do país. 

Campanha de arrecadação

Ainda de acordo com o UOL, um dos fugitivos, que alega ser um exilado político, usou suas redes sociais para promover campanhas de financiamento de sua permanência no exterior. O homem identificado como Daniel Bressan, que trabalha como pedreiro, tentou vender produtos e até realizou a rifa de um Fiat Uno 2015. 

As polícias civis do Rio Grande do Sul e Santa Catarina alegaram que não foram solicitadas para fazerem busca pelos fugitivos; enquanto a do Paraná não se manifestou sobre o assunto. Os órgãos que administram as penitenciárias nos estados não informaram quantos investigados quebras suas tornozeleiras eletrônicas e fugiram. 

Por fim, o Supremo Tribunal Federal e a Polícia Federal não deram notícias sobre as possíveis buscas, mas o UOL relatou que não existem alertas públicos feitos à Interpol pelos fugitivos.