Notícias Idade Média

Constantinopla, 1453: Desaba a Idade Média

Há exatos 565 anos, todo um sistema geopolítico caía junto com Império Romano do Oriente

quinta 24 maio, 2018
Representação da queda de Constantinopla
Representação da queda de Constantinopla Foto:Museu histórico de Istanbul, Panorama 1453

Os presságios para os bizantinos no dia 24 de maio de 1453 eram os piores possíveis. Nesse dia, um eclipse lunar lembrou a todos os que resistiam ao cerco otomano, imposto pelo sultão Maomé II desde o dia 6 de abril, que uma antiga profecia estava para se cumprir. A lenda dizia que a bela Constantinopla (atual Istambul, na Turquia), a joia do Oriente e capital do Império Bizantino, resistiria a seus inimigos enquanto a Lua brilhasse firme no céu.

O sultão Maomé II e o exército Otomano se aproximando de Constantinopla Wikimedia Commons

Para o desespero da população, os sinais da desgraça que estava para se abater sobre os homens do imperador Constantino XI não pararam por aí. No dia seguinte, um ícone da Virgem Maria se espatifou no chão durante uma procissão e, na sequência, uma chuva de granizo inundou as ruas, encharcando os mais de 22 km de muralhas que protegiam a cidade.

Para muitos, a culpa era da política de reaproximação com as nações católicas do Ocidente promovida pelo imperador e iniciada ainda no reinado de seu pai, João VIII. Preocupado com o isolamento de seu império desde o cisma entre as igrejas católica e ortodoxa, em 1054, Constantino não podia imaginar que, ao exigir uma anuidade de Maomé para sustentar um príncipe otomano prisioneiro em Constantinopla, estava dando início a sua própria destruição. Pois o sultão considerou a cobrança da taxa uma afronta pessoal e imediatamente começou os preparativos para iniciar o cerco.

Embate inevitável 

A princípio, a população acreditava que a capital resistiria sem problemas. Localizada sobre o estreito de Bósforo, que limita os continentes asiático e europeu, em direção à Anatólia, e rota de ligação ente Turquia e Ásia e entre os mares Negro e Mediterrâneo, a cidade batizada em homenagem ao imperador Constantino I já havia resistido a mais de 20 ataques – de hunos, búlgaros, russos, germânicos e avaros. Só havia caído uma vez, durante a Quarta Cruzada, em 1204, quando foi saqueada e incendiada por três dias, mas foi retomada pelos bizantinos em 1261, que dominaram toda a península Balcânica.

“A verdade, contudo, é que o império havia sobrevivido, porém bem mais pobre e sem o apoio da Igreja Católica, limitando seus territórios à cidade de Constantinopla e a uma porção do Peloponeso”, diz Jill Diana Harries, professora de história antiga da Universidade de St. Andrews, na Escócia.

Diante do inevitável embate, Constantino decidiu apelar à Europa católica, com quem vinha costurando acordos desde sua coroação, em 1449. Recebeu muitas promessas que, se fossem cumpridas a tempo, poderiam ter mudado o rumo da história. O papa Nicolau V disse que mandaria navios recheados de mantimentos e armas, mais a presença do cardeal Isidro com 300 arqueiros napolitanos. Já os venezianos se comprometeram com o envio de cerca de 900 soldados e mais 16 navios com suprimentos.

Enquanto os bizantinos esperavam, os otomanos – para quem a tomada de Constantinopla era uma estratégica para o domínio dos Bálcãs e da parte oriental do Mediterrâneo – reuniam um exército de quase 100 mil homens. “As forças otomanas contavam com um grande bônus: os cerca de 12 mil janízaros, guerreiros de elite dos sultões. Em sua origem, eram crianças cristãs capturadas pelos turcos como escravas, convertidas ao islamismo e treinadas para a guerra”, conta Harries.

A ajuda que não vinha

Em paralelo, o sultão Maomé ordenou a construção de uma fortaleza ao norte de Constantinopla. Isso porque ali ficava o calcanhar de Aquiles da cidade: as muralhas ao longo do Corno de Ouro, o canal que separava Constantinopla da vila de Pera e que os bizantinos haviam fechado com uma enorme corrente de ferro para controlar a aproximação de navios. A recém-construída fortaleza otomana tinha por objetivo exatamente bloquear a ajuda que viria das duas entradas do mar de Mármara, que separa os mares Negro e Egeu, valendo-se para tanto de três canhões no ponto mais estreito do Bósforo e mais de 120 navios em Dardanelos e Mármara.

Quando em 6 de abril de 1453 o canhão de 8 m dos turcos deu seu primeiro disparo, Constantino soube que o cerco começara. E começara mal, já que as muralhas de Constantinopla não estavam preparadas para resistir a esse tipo de ataque e começaram a ceder em vários pontos, sendo reconstruídas diariamente após o anoitecer. Ainda esperando a ajuda do Ocidente chegar, os bizantinos receberam uma injeção de ânimo após duas vitórias sucessivas. Na primeira, em 12 de abril, conseguiram expulsar o almirante búlgaro Suleimã Balthoglu do Corno de Ouro.

No dia 18, repetiram a façanha, contendo os otomanos no vale do Licos ao usar principalmente o fogo grego, uma substância que se inflamava ao contato com a água (provavelmente cal viva) e era lançada das muralhas sobre o inimigo. Como resultado, a primeira parte da ajuda cristã conseguiu chegar por mar no dia 20. “Essa derrota enfureceu o sultão, que humilhou Baltoghlu publicamente e o dispensou de seu serviço”, fala Gregory Warden, historiador e professor da Universidade Southern Methodist do Texas, nos EUA.

A essa altura, o resto da ajuda prometida pelas nações cristãs era essencial – só que não havia sinal de navios no horizonte. Constantinopla estava chegando ao fim de sua capacidade de resistência. Vendo as dificuldades em controlar o Corno de Ouro, Mohamed agiu diferente: mandou construir, em maio, uma estrada de rolagem e puxar seus navios por terra, onde seriam reposicionados de forma a impedir os consertos nas fortificações da cidade. Constantino ordenou então um contra-ataque.

“Mas o sultão mantinha espiões bem treinados, que localizaram os invasores e os mataram antes que o ataque fosse efetivado. Em represália, o imperador bizantino decapitou mais de 200 prisioneiros otomanos, atirando seus corpos pelas muralhas”, diz Warden. Sentindo a fraqueza de seu inimigo, o sultão fez uma proposta. Se Constantino entregasse a capital, os cristãos seriam poupados. Magnânimo, Maomé ainda deu uma alternativa: o pagamento em dinheiro. Sem caixa desde o saque realizado pelos cruzados, o imperador foi obrigado a dizer não à última chance de paz que teria.

O dia da queda

A recusa de Constantino foi o fator decisivo para o sultão decretar que, na manhã de 29 de maio, Constantinopla cairia. Na noite anterior, os otomanos descansaram. Um silêncio inédito nos 54 dias de cerco se fez sobre a cidade. “Para tentar quebrar o clima de mal-estar e desânimo que se abatia sobre a população, os sinos das igrejas da cidade badalaram sem descanso durante todo o dia”, afirma Warden.

O confronto Wikimedia Commons

Quanto o ataque turco veio, os bizantinos lutaram bravamente usando suas melhores armas e homens. A estratégia otomana, porém, era outra. Depois de cansarem seus inimigos por horas, colocaram em ação o exército turco profissional, mais os temidos janízaros. Junto com eles, veio o gigantesco canhão que iniciara a batalha.

No primeiro tiro, um pedaço da muralha veio ao chão. “Contudo, os turcos conseguiram encontrar uma brecha no lado noroeste da muralha e forçaram a entrada na cidade, causando desordem entre os soldados gregos que lutavam ao lado de Constantino. Acredita-se que o último imperador bizantino pereceu nesse ataque, depois de ter lutado até onde podia para defender a cidade”, fala Steven A. Epstein, professor de história antiga da Universidade do Kansas, nos EUA. O estrago, porém, era irreversível. Em pouco tempo, os bizantinos foram esmagados pela força otomana. Constantinopla havia finalmente caído.

A Catedral de Santa Sofia que foi consagrada como mesquita Wikimedia Commons

O que veio a seguir foi o terror. Por cerca de dois dias, uma das cidades mais importantes do mundo medieval foi pilhada, e seus cidadãos, mortos ou estuprados, enquanto os sobreviventes tentavam escapar por mar. O saque foi tamanho que Maomé ordenou o encerramento do butim por temer que nada sobrasse de sua nova conquista. Num gesto de triunfo, o sultão foi ao coração cristão de Constantinopla, a Catedral de Santa Sofia, e a consagrou como mesquita. A cidade era, agora, a capital de um novo império.

Novos tempos

Quando a notícia da queda chegou ao Ocidente, muitos duvidaram de sua veracidade. A fama de suas impenetráveis muralhas era conhecida, e a ideia de que não pudesse resistir aos turcos chocou a Europa. Os maiores problemas, entretanto, eram de ordem prática. As rotas de comércio entre a Europa e a Ásia estavam agora fechadas e sob o domínio dos muçulmanos de Maomé II.

E era pelo Bósforo, e por Constantinopla, que passavam todos os mercadores que vinham da China e da Índia, trazendo as preciosas especiarias e os artigos de luxo tão essenciais ao continente. A opção encontrada pelos europeus foi pensar em rotas alternativas. Quem se beneficiou com essa ideia foram dois países que tinham uma posição estratégica junto ao oceano Atlântico e à África: Portugal e Espanha.

Começava então uma era de explorações e a corrida por caminhos diferentes que levassem às Índias. Foi nesse contexto que Vasco da Gama fez sua travessia, em 1498, e Cristóvão Colombo chegou, em 1492, ao continente americano, financiados pelos espanhóis.

Nascia o sonho de civilização e ocupação do chamado Novo Mundo, enquanto o Império Bizantino e sua cultura clássica morriam. “Os historiadores consideram a queda de Constantinopla não só como o fim da Idade Média mas também o início do Renascimento, que já era um fato na Itália. Esse período veio a ser conhecido como a Era dos Descobrimentos”, conta Epstein. Como lembrança do triste fim do cerco, a terça-feira, o dia da queda, passou a ser considerada um dia de má sorte entre os sobreviventes, em especial os gregos. 


Saiba mais

Drácula, o Vampiro da Noite, Bram Stoker, ed. Martin Claret, 2003

A Queda de Constantinopla 1453, Steven Runciman, ed. Imago, 2002

Natalia Yudenitsch


Leia Mais:

Receba em Casa

Vídeos

Mais Lidas

  1. 1 Crianças que nasceram como resultado do horrível programa Há 82 anos, nazistas começavam seu repugnante programa de ...
  2. 2 Os quatro milênios da Babilônia
  3. 3 Uma tempestade chamada Pagu
  4. 4 Inquisição: A fé e fogo
  5. 5 Marginália: As alucinadas ilustrações dos livros medievais