Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Transplante

Corações de porcos são transplantados com sucesso a dois novos pacientes nos EUA

Primeiro caso ocorreu em janeiro, mas o paciente acabou morrendo dois meses depois

Redação Publicado em 14/07/2022, às 12h03

Transplante de coração de porco em paciente nos EUA - Divulgação / NYU Langone Health
Transplante de coração de porco em paciente nos EUA - Divulgação / NYU Langone Health

Pesquisadores da Universidade de Nova York (NYU), nos Estados Unidos, foram responsáveis por realizar transplantes bem sucedidos em dois novos pacientes que receberam corações de porcos geneticamente modificados.

A segunda e terceira pessoa a passarem pelo procedimento possuem 72 e 64 anos e haviam sofrido morte encefálica antes da cirurgia, um quadro em que os órgãos, exceto o cérebro, continuam funcionando.

As cirurgias, conhecidas como xenotransplantes, aconteceram nos dias 16 de junho e 6 de julho e foram divulgadas nesta semana. Até agora, não houve sinais de rejeição aos órgãos e os corações estão funcionando normalmente com um medicamento usado após transplantes.

“Nosso objetivo é integrar as práticas usadas em um transplante cardíaco típico e cotidiano, mas com um órgão não humano que funcionará normalmente sem ajuda adicional de dispositivos ou medicamentos não testados”, disse o diretor cirúrgico de transplante cardíaco do Instituto de Transplante da NYU, Nader Moazamii.

Segundo o jornal O Globo, para que o procedimento fosse possível, os pesquisadores utilizaram protocolos rígidos com o intuito de evitar contaminação por zoonoses, doenças que acometem animais.

Primeiro caso

Os transplantes acontecem meses depois do primeiro caso de xenotransplante, que ocorreu em janeiro deste ano com o paciente Steve Bennet, de 57 anos, que morreu dois meses depois de receber o coração de porco geneticamente modificado.

Cientistas explicaram que o óbito não aconteceu em decorrência de uma rejeição ao órgão, mas sim por conta de um caso de insuficiência cardíaca. Ainda que o paciente não tenha resistido, o caso é considerado um sucesso.