Notícias » Pandemia

Coronavírus: Trump e aliados lucrariam com o aumento das vendas de cloroquina

De acordo com o The New York Times, o presidente e alguns membros do Partido Republicano tem um interesse específico na produção do produto

André Nogueira Publicado em 08/04/2020, às 09h25

Donald Trump
Donald Trump - Getty Images

Segundo nova reportagem do The New York Times, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, grande defensor do uso da cloroquina no tratamento da Covid-19, e seus aliados possuem participação financeira na produção do medicamento, que ainda não se provou eficaz no tratamento da patologia que se dissemina pelo mundo.

De acordo com a matéria, Trump tem algumas ações da Sanofi, empresa francesa que fabrica o fármaco. Além disso, outros membros de seu governo seriam beneficiados pelo aumento do uso da cloroquina.

É o caso de Ken Fisher, empresário que insere grandes quantidades de dinheiro no Partido Republicano e acionista da Sanofi, e Wilbur Ross, secretário do Comércio do atual governo e investidor da empresa e da Mylan, também produtora de remédios.

A hidroxicloroquina ainda não teve sua eficiência confirmada por cientistas do mundo inteiro no tratamento do coronavírus, sendo originalmente usada em casos de lúpus, malária e doenças reumáticas. O uso massivo do produto sem instruções médicas pode gerar escassez do mesmo nas farmácias, prejudicando aqueles que fazem uso contínuo. Além de efeitos colaterais.

No Brasil, o presidente Bolsonaro acompanhou o discurso de Trump em defesa do fármaco, mesmo contra as indicações da Organização Mundial da Saúde. Segundo pesquisa da Sociedade Internacional de Quimioterapia Antimicrobiana, rebatendo um estudo francês sobre o remédio, a cloroquina “não atende ao padrão esperado pela sociedade”.