Busca
Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaYoutube Aventuras na HistóriaTiktok Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Cosmonauta

Cosmonauta conquista título de primeira pessoa a passar mil dias no espaço

Cosmonauta alcançou nesta quarta-feira, 5, a marca de mil dias no espaço; conquista ocorre meses após ele ter batido recorde de maior tempo acumulado no espaço

por Giovanna Gomes

ggomes@caras.com.br

Publicado em 05/06/2024, às 14h40 - Atualizado às 18h07

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
O cosmonauta russo Oleg Dmitrievitch Kononenko - Divulgação
O cosmonauta russo Oleg Dmitrievitch Kononenko - Divulgação

O cosmonauta Oleg Dmitrievitch Kononenko, de 59 anos, alcançou nesta quarta-feira, 5, a marca de 1.000 dias no espaço. Ele é a primeira pessoa a atingir esse feito, possível graças a cinco viagens à Estação Espacial Internacional (EEI).

Veterano em missões espaciais, Kononenko participa dessas expedições desde 2008. Atualmente, ele celebra este marco enquanto orbita a Terra na EEI.

Em fevereiro deste ano, Kononenko quebrou o recorde de maior tempo acumulado no espaço, superando o total de 878 dias, 11 horas, 29 minutos e 48 segundos, marca que pertencia ao também russo Gennady Padalka desde 2015.

De acordo com informações do portal Galileu, a mais recente viagem de Kononenko à Estação Espacial Internacional começou em 15 de setembro de 2023, quando ele foi lançado ao lado do astronauta da NASALoral O'Hara e do compatriota Nikolai Chub. Se a missão seguir conforme o programado e terminar em 23 de setembro de 2024, ele terá passado um total de 1.110 dias no espaço.

“Há essa consciência de que você alcançou algo novo e importante, que superou um determinado marco, tocou o desconhecido”, declarou o cosmonauta à agência de notícias estatal russa TASS. “Isso te dá confiança e orgulho do trabalho que você fez.”

Kononenko também mencionou ao TASS que seus colegas americanos na EEI foram os primeiros a felicitá-lo pela conquista. A Estação Espacial Internacional permanece uma das poucas áreas de cooperação entre os Estados Unidos e a Rússia desde o início da guerra na Ucrânia.