Notícias » Brasil

CPI irá investigar a razão pela qual o Brasil não comprou a vacina da Pfizer em 2020

A afirmação foi feita pelo senador Omar Aziz, do PSD, em entrevista à emissora CNN

Giovanna Gomes, sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 26/04/2021, às 13h45

O senador Omar Aziz
O senador Omar Aziz - Divulgação/CNN Brasil

Omar Aziz, senador do Amazonas pelo PSD, declarou em entrevista concedida à CNN Brasil que uma CPI com objetivo de investigar a razão pela qual o Brasil não comprou imunizantes da Pfizer contra a Covid-19 no ano passado deverá ser realizada. 

“Uma das grandes dúvidas é por que a gente não comprou a vacina da Pfizer, os 70 milhões de vacinas (...) Nessa última semana, muitas informações que não tínhamos surgiram através de entrevistas de pessoas que trabalharam no governo e serão também, com certeza, ouvidos e investigados”, afirmou.

O político se refere a uma fala ex-secretário de Comunicação Fabio Wajngarten, que declarou à Veja que o Brasil não comprou as vacinas da Pfizer antes por "incompetência" e "ineficiência" do Ministério da Saúde.

Além disso, o entrevistado, quem é um dos candidatos a presidir a CPI, afirmou que acredita que a ação não será utilizada para politizar a pandemia, já que isso seria prejudicial até mesmo para os senadores.

“Eu acredito e disse para os membros da CPI que aquele que tentar politizar será crucificado pela população brasileira. Nenhuma família enlutada, nenhum amigo que perdeu outro amigo nem os muitos órfãos que ficaram, vão aceitar que um de nós tente tirar proveito com a morte de quase 390 mil pessoas”, afirmou Aziz.

“Conversei com todos os 11 senadores titulares, disse que queremos fazer um CPI técnica. Chegamos a quase 390 mil mortos pela Covid e creio que nenhum brasileiro quer que a gente politize, que faça acusações políticas”, finalizou. 


Sobre a Covid-19

De acordo com as últimas informações divulgadas pelos órgãos de saúde, atualmente, o Brasil registra 14,3 milhões de pessoas infectadas, e as mortes em decorrência da doença já chegam em 391 mil no país.  

Em 1º de dezembro de 2019, o primeiro paciente apresentava sintomas do novo coronavírus em Wuhan, epicentro da doença na China, apontou um estudo publicado na revista científica The Lancet em fevereiro deste ano.