Notícias » Arqueologia

Crânios deformados revelam a situação dos povos antigos, após a queda do império romano

A necrópole encontrada na Hungria deixa indícios sobre a migração europeia da época

Penélope Coelho Publicado em 01/05/2020, às 10h20 - Atualizado às 11h17

Crânio de mulher adulta deformado
Crânio de mulher adulta deformado - Divulgação

Segundo um estudo publicado na última quarta-feira, 29, pela revista científica PlosOne, um grupo de pesquisadores encontraram 51 crânios aparentemente deformados, no cemitério de Mözs-Icsei dűlő, localizado ao sul da Hungria.

Essa descoberta revela curiosidades sobre os povos que viveram por volta do século 5, em um período de grande migração na Europa. Naquela época, a população local passava por uma transformação cultural após a queda do império. Novos grupos estrangeiros chegavam naquela região em busca de refúgio.

Já que os hunos invadiram a Europa Central e os romanos abandonaram as províncias da Panônia, localizada na atual Hungria. Para entender melhor a mudança cultural e populacional repentina, os arqueólogos resolveram pesquisar a fundo o cemitério de Mözs-Icsei dűlő.

Para os arqueólogos, aquela população enterrou ao menos três gerações. De todas as ossadas descobertas no cemitério, uma pequena parcela corresponde aos fundadores locais, os pesquisadores chegaram a essa conclusão devido às sepulturas de estilo romano.

Crânio encontrado no cemitério de Mözs-Icsei dűlő / Crédito: Divulgação 

 

Crânios deformados

Foram analisados mais de 50 crânios de homens, mulheres e até crianças. Segundo os especialistas, eles estavam deformados devido à prática do uso de bandagens, possivelmente atribuída à era paleolítica. Uma tradição iniciada na Ásia, ainda no século 2 a.C, chegando em terras europeias e na Hungria, por volta do século 5.

A grande maioria das caveiras pertencia a grupos povos estrangeiros que provavelmente estabeleceram-se naquela região durante o período de migração. Os cientistas utilizaram de novas tecnologias de ponta para realizarem as investigações, com objetivo de entender os movimentos daquele povo, depois do período de caos com a queda de Roma.

As pesquisas continuam na Hungria, porém, até agora os especialistas chegaram a uma conclusão, para eles, pelo menos uma comunidade inteira surgiu naquela região, após o fim do império. Os pesquisadores descobriram uma comunidade antiga bem diversa, composta por grupos culturais distintos.