Notícias » Crimes

Cristian Cravinhos vai ao STF para tentar censurar série que trata o brutal crime, diz colunista

Segundo Rogério Gentile, do UOL, Cristian, um dos responsáveis pelos assassinatos dos von Richthofen, alega ter “direito ao esquecimento” e pede indenização

Fabio Previdelli Publicado em 07/04/2021, às 15h28

Cristian ao lado do irmão e de Suzane
Cristian ao lado do irmão e de Suzane - Divulgação/ Video/ Globo News

Segundo o colunista Rogério Gentile, do UOL, Cristian Cravinhos, que ao lado do irmão Daniel e de Suzane von Richthofen protagonizaram um dos crimes mais brutais e midiáticos do país, entrará na justiça para tentar impedir que o episódio que trata do caso na série 'Investigação Criminal' continue em exibição.

Produzida pela Medialand Produção e Comunicação, o segundo episódio da primeira temporada do programa, disponível no Prime Video, mergulha no caso von Richthofen, que aconteceu em 31 de outubro de 2002, quando o casal Manfred e Marísia foi assassinado pelos Cravinhos a mando de Suzane.  

De acordo com Gentile, Cristian alega ter “direito ao esquecimento”, assim, recorreu não só pela proibição da exibição do episódio, como também para receber uma indenização de 500 mil reais pela produção ter usado 12 fotografias com sua imagem.  

Como noticiado pela equipe do site do Aventuras na História em março desse ano, em 8 de março, o Tribunal de Justiça havia negado o primeiro pedido feito por Cravinhos. Agora, no entanto, após ser derrotado em primeira e segunda instância, seus advogados recorreram ao Supremo Tribunal de Justiça (STJ).  

Ao STF, Cristian enviou uma petição afirmando que a produção atenta o artigo 5º da Constituição, que diz que a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem de das pessoas são invioláveis. Só para ressaltar, esse mesmo artigo que assegura a liberdade de expressão. 

"Por ter cometido um crime que, de acordo com as empresas recorridas é de interesse da sociedade, [Cravinhos] não pode ser lembrado pelo resto da sua vida por este delito", diz seu advogado, Valdir Rodrigues de Sá. "Como conseguirá viver em sociedade, ter um novo emprego, com toda essa propaganda negativa em seu desfavor?".  

"O Estado tem o dever, uma vez que o reeducando cumpra sua pena, de ajudá-lo a seguir em diante”, completa, afirmando que seu cliente disse à Justiça que deseja querer “viver em paz”. Assim, Rodrigues de Sá afirma que a exposição de sua imagem em uma série de televisão significaria uma “pena perpétua”. 

Por sua vez, a produtora disse à Justiça que a série tem apenas um viés informativo e documental, sendo o caso Richthofen o mais célebre da história criminal brasileira, sendo assim, a exibição do episódio asseguraria “a livre manifestação e o direito de informar”.