Notícias » Arqueologia

Denisovanos: novos fósseis detalham costumes destes antecessores humanos

Com 200.000 anos de idade, os ossos e relíquias explicam como os denisovanos viviam

Pedro Paulo Furlan, sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 29/11/2021, às 16h08

Um dos ossos encontrados e identificados como de denisovanos
Um dos ossos encontrados e identificados como de denisovanos - Foto: Reprodução / Katerina Douka

Os denisovanos são conhecidos como uma possível espécie de hominídeo. No entanto, antes desta descoberta, tínhamos pouco conhecimento sobre este grupo, além de sua existência e algumas pistas sobre onde viviam.

Na última quinta-feira, 25, um estudo inovador foi publicado na revista científica Nature Ecology & Evolution, que detalha novos resquícios dos denisovanos, datados de 200.000 anos atrás, e adicionam informações ao que já sabíamos sobre este tipo de hominídeo.

O sítio arqueológico fica na caverna de Denisova, onde já foram encontrados fósseis de denisovanos, na Sibéria, província na seção asiática da Rússia. 

Lá, a equipe responsável pelo estudo achou cerca de 3.700 restos de ossos e, analisando cada um, descobriu alguns que combinavam com DNA desta espécie, como explicado por Katerina Douka, da Universidade de Viena, à publicação LiveScience.

Nós estávamos extremamente empolgados de identificar três novos ossos de denisovanos entre as camadas mais antigas da caverna de Denisova. Nós especificamente procuramos nestas camadas em que nenhum outro fóssil humano foi encontrado antes, e nossa estratégia funcionou", afirmou.
Pedaços de ossos encontrados na caverna de Denisova - Foto: Reprodução / Katerina Douka

 

Além dos ossos, foram encontradas ferramentas feitas em pedra e restos mortais de animais, apontando que os denisovanos também utilizavam da caça como meio de conseguir alimento e tinham conhecimento para produzir estes objetos.

Os pesquisadores ainda acreditam que o grupo selecionou a caverna como habitação devido a sua proximidade com uma fonte de água e um vale no qual as presas eram abundantes, variando de cervos, cavalos e bisões.

Junto a isto, a proximidade dos resquícios denisovanos com as ferramentas prova sua autoria, narrou Douka.

“Esta é a primeira vez na qual podemos ter certeza que os denisovanos foram os criadores destas relíquias arqueológicas que encontramos em associação a seus fragmentos de ossos", contou em entrevista.