Notícias » Ciências

Dinossauros já estavam em declínio antes da desgraça final?

Estudo mostra que a extinção dos dinossauros já se desenhava muito antes da queda do asteroide em Yucatán. Entenda!

Fabio Previdelli Publicado em 06/07/2021, às 11h03

Imagem ilustrativa
Imagem ilustrativa - Pixabay

Por 150 milhões de anos os dinossauros se consolidaram como o grupo de animais que dominou o planeta. Como explica o Toda Matéria, até os dias de hoje, cerca de 700 espécies foram descobertas; sendo os terópodes — subespécies de dinossauros bípedes — considerados como um dos maiores carnívoros que já passaram pelo nosso planeta. É, viver nos mesmos tempos que um Tiranossauro Rex não devia ser tarefa nada fácil. 

Porém, há 66 milhões de anos, eles foram praticamente exterminados depois que um monumental asteroide atingiu a península de Yucatán. Com isso, grande parte dos animais do planeta morreram também — uma das maiores extinções em massa que nossa história já presenciou.  

Afinal, como explica a Science Alert, detritos da colisão foram lançados na atmosfera, o que bloqueou por centenas de anos a luz solar, vital para a proliferação de diversas espécies. Assim, as temperaturas na Terra despencaram e poucos sobreviveram, cerca de 70% das espécies deixaram de existir. 

Essa é a hipótese mais aceita para explicar o fim da espécie. Embora as evidências do impacto no final do Cretáceo sejam indiscutíveis, o declínio do grupo, não necessariamente, seu deu por conta disso, pelo menos é isso que aponta um estudo liderado por pesquisadores do Centro Nacional Francês de Pesquisa Científica, que foi publicada no final do mês passado na Nature

Para isso, os pesquisadores analisaram 1.600 fósseis de dinossauros, buscando determinar taxas de especiação e extinção de seis famílias diferentes: Ankylosauridae, Ceratopsidae, Hadrosauridae, Dromaeosauridae, Troodontidae e Tyrannosauridae. 

“Observamos as seis famílias de dinossauros mais abundantes em todo o Cretáceo, abrangendo de 150 a 66 milhões de anos atrás, e descobrimos que todos eles estavam evoluindo e se expandindo e claramente sendo bem-sucedidos", diz Fabien Condamine, pesquisador do Institut des Sciences de l’Evolution de Montpellier (França) e autor principal do estudo. 

“Então, há 76 milhões de anos, eles tiveram uma queda repentina. Suas taxas de extinção aumentaram e, em alguns casos, a taxa de origem de novas espécies caiu”, diz. 

Dessa maneira, a equipe descobriu que a diversidade dos dinossauros não-aviários começou a cair cerca de 10 milhões de anos antes do monumental impacto de Yucatán. A equipe acredita que um dos principais fatores pra isso foi que as espécies mais antigas foram incapazes de se adaptar às mudanças das condições ambientais, com isso, como Darwin explica, sua extinção se tornou iminente.  

Afinal, muitos deles dependiam de um clima mais quente para manter sua temperatura corporal estável, explica a Science Alert. "Esses resultados implicam que os períodos quentes favorecem a diversificação dos dinossauros, enquanto os períodos mais frios levam a extinções aumentadas", completam os pesquisadores.  

 “Uma explicação fisiológica para a extinção impulsionada pelo resfriamento poderia ser a hipótese de que a determinação do sexo nos dinossauros dependesse da temperatura, como nos crocodilos e nas tartarugas”, diz Condamine. 

Outro ponto importante foi o declínio dos herbívoros, já que os hadrossauros teriam superados outros de sua espécie, se tornando dominantes nos ecossistemas. “A perda de herbívoros tornou os ecossistemas instáveis e propensos [aos eventos sucessivos de] extinção”, explica o co-autor do estudo, Mike Benton, da Universidade de Bristol. 

No final, os dados do novo estudo sugerem que a extinção final dos dinossauros realmente não poderia ser atribuída exclusivamente ao impacto de um asteroide massivo, embora, ainda, não haja elementos o suficiente para confirmar essa nova hipótese.