Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Paleontologia

Dinossauros sofriam de febre e tosse como nós, diz pesquisador

As evidências foram encontradas no fóssil de um diplodocídeo que viveu há 150 milhões de anos

Redação Publicado em 15/02/2022, às 08h33

Ilustração de saurópodes - Divulgação / CNN
Ilustração de saurópodes - Divulgação / CNN

Um grupo de pesquisadores encontrou indícios de que um jovem dinossauro Diplodocidae, que viveu há cerca de 150 milhões de anos, no estado norte-americano de Montana, sofria com febre, tosse e espirros.

A partir da análise do fóssil de Dolly Parton, como foi chamado o saurópode, os paleontólogos perceberam a existência de saliências ósseas anormais em seu longo pescoço. As informações são do Diário de Notícias.

"Eu olhei para muitas vértebras de saurópodes e vi algumas coisas estranhas, mas nunca nada parecido com essas estruturas", declarou ao The Guardian, Cary Woodruff, diretor de paleontologia do Great Plains Dinosaur Museum em Malta, Montana.

Segundo a fonte, após a descoberta, Woodruff buscou auxílio nas redes sociais. Diversos cientistas comentaram a publicação, afirmando que os crescimentos ósseos eram muito parecidos com as saliências causadas por infeções respiratórias. A suspeita foi confirmada por meio de tomografias computadorizadas.

"Será que Dolly faleceu doente e sozinha? Ou Será que por estar sozinha e visivelmente tão fraca foi um "alvo" para os predadores? Não podemos dizer, mas acredito que, de uma forma ou de outra, isso contribuiu para a morte de Dolly", disse Woodruff ao jornal.