Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Entretenimento

Disney ficou ‘com pé atrás’ sobre beijo entre mulheres em ‘Lightyear’

Produtora do filme sobre o patrulheiro espacial revelou que a empresa havia apoiado a ideia de um casal lésbico — mas com ressalvas

Redação Publicado em 16/06/2022, às 14h17

Cena de "Lightyear" (2022) - Divulgação/Pixar
Cena de "Lightyear" (2022) - Divulgação/Pixar

Lightyear” (2022), filme derivado de “Toy Story” que conta a origem do patrulheiro espacial, vem causando polêmica por incluir um casal de mulheres que, em um momento do filme, dão um beijo.

Segundo a produtora da animação da Pixar, Galyn Susman, a Disney apoiou a ideia da representatividade ao mostrar duas personagens se envolvendo romanticamente, mas com ressalvas — a empresa não era a favor do beijo, por exemplo.

Em entrevista ao The Hollywood Reporter, Susman explicou como a cena havia sido cortada à pedido da Disney, que voltou atrás na decisão em meio à reação negativo do público ao então apoio da companhia ao projeto de lei “Don’t Say Gay”, que tem como intuito proibir debates sobre identidade de gênero nas escolas dos EUA.

Eles [Disney] apoiaram aquilo. Mas definitivamente ficaram com um pé atrás sobre aquele beijo”, explicou a produtora. “Nós tivemos a oportunidade de colocar isso de volta, o que foi muito empolgante”.

Segundo a Rolling Stone Brasil, o diretor e co-roteirista do filme, Angus MacLane, também falou sobre a importância do filme fora a cena de beijo entre a personagem dublada por Uzo Aduba e a esposa dela. Para ele, a ideia por trás do filme é quebrar estereótipos.

Há a narrativa do salvador branco e há a narrativa do trabalho em equipe. Então, o que eu queria fazer era casar essas duas ideias com alguém que estivesse convencido de que ele era o herói e que finalmente reconhecesse que eles venderam algo que não era útil,” contou.

Críticas homofóbicas e proibição

A cena de representatividade LGBTQ+ fez com que o filme fosse banido em pelo menos 14 países, em especial no Oriente Médio, onde Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos e Kuwait proibiram a exibição da produção da Pixar.

Questionado sobre os ataques homofóbicos a “Lightyear”, o dublador do protagonista, Chris Evans, rebateu: "A verdade é que essas pessoas são idiotas. Toda vez há avanço social quando acordamos. A história americana, história humana, é sobre acordar socialmente e crescer. Isso é o que nos torna bons”.

Sempre há pessoas que tem medo e tentam se apegar ao que acontecia antes. Mas essas pessoas são extintas como dinossauros. A meta é não dar atenção a elas, marchar para frente e abraçar o crescimento que nos faz humanos”, disse o ator ao The Guardian.