Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Lightyear

Disney retira animação 'Lightyear' da Malásia após beijo gay ser censurado

Longa já foi banido em 14 países por conter cena com beijo lésbico

Luisa Alves, sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 17/06/2022, às 15h28

LightYear - Divulgação/Disney
LightYear - Divulgação/Disney

A Disney tomou a decisão de retirar de cartaz nos cinemas da Malásia sua nova animação: 'Lightyear', após o país censurar cena que contém beijo gay, e já foi banido em outros 13 países. As informações são da ABC News.

A Malásia aprovou o filme sob a condição de que cenas que contivessem elementos que "promovam" o estilo de vida LGBT, fossem "cortadas e silenciadas", segundo o jornal Daily Mail. De acordo com o Conselho de Censura de filmes da Malásia, o filme foi aprovado com a orientação de pais de crianças menores de 13 anos, com as restrições.

A Disney teria discordado com as imposições e decidiu retirar o filme de cartaz, acrescentando que não comprometeria nenhuma cena LGBTQIAP+. A declaração do Conselho não especificou quais cenas violam as condições para censura.

Na animação, a personagem Alisha Hawthorne , lésbica, está iniciando uma família com sua parceira, uma médica asiática. Em determinada cena, quando em família, elas se beijam. 

Beijo banido em 14 países

A produtora do filme de US$ 200 milhões, Galyn Susman, contou em entrevista ao 'Mercury News', que a Walt Disney havia aprovado o casal lésbico, mas não o beijo, opondo-se à ideia de incluir a cena no corte final.  

"Eles foram muito apoiadores quanto a isso [a trama de amor entre as personagens], mas houve uma resistência definitiva quando à inclusão do beijo", disse. 

Criticada pela ausência de representativa LGBTQIAP+ em suas produções, a Walt Disney, tomou a iniciativa de incluir as personagens no roteiro, após o silêncio da empresa com relação à lei anti-LGBTQIA+, "Não Diga Gay", em voga em março deste ano na Flórida. Após a decisão, o longa foi banido em 14 países, na Ásia e Oriente Médio.