Busca
Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaYoutube Aventuras na HistóriaTiktok Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Bebês

DNA confirma que três bebês abandonados em período de 7 anos em Londres são irmãos

Três recém-nascidos foram encontrados em situações semelhantes em diferentes anos em Londres; agora um teste de DNA confirmou que eles são irmãos

por Giovanna Gomes

ggomes@caras.com.br

Publicado em 04/06/2024, às 12h47

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Imagem Ilustrativa - Imagem de Jakobking85 por Pixabay
Imagem Ilustrativa - Imagem de Jakobking85 por Pixabay

A polícia britânica está à procura dos pais de três crianças que foram abandonadas em Londres em um período de sete anos. Testes de DNA apresentados ao Tribunal de Família de East London indicaram que uma bebê recém-nascida encontrada em janeiro deste ano na região de Newham é irmã de outras duas crianças, um menino e uma menina, encontradas em circunstâncias semelhantes em 2017 e 2019.

Os três bebês, que são negros, foram encontrados com vida e receberam cuidados médicos. Os dois mais velhos foram adotados, enquanto que a mais nova — que foi encontrada por um passeador de cães — segue em um lar temporário.

Irmãos abandonados

De acordo com o portal O Globo, o primeiro bebê, que recebeu da mídia o nome Harry, foi encontrado em setembro de 2017 enrolado num cobertor.

Na época, as autoridades apelaram publicamente para que a genitora do menino se apresentasse, mas o pedido não surtiu efeito. Um ano e meio depois, em um dia frio, a pequena Roman foi encontrada em outro parque nas proximidades, também enrolada em um cobertor e em uma sacola de compras.

Em janeiro deste ano, foi a vez de Elsa, encontrada em local não muito longe dali e envolta em toalhas, pouco após as 21h. Segundo o portal de notícias, documentos do tribunal dizem que a menina ainda tinha o cordão umbilical e que, conforme avaliação médica, havia nascido apenas uma hora antes de ter sido encontrada.

O Tribunal de Família destacou que as crianças, cujos nomes foram alterados, saberão de seus irmãos quando crescerem, sendo que há planos de estabelecer algum tipo de contato entre eles no futuro.