Notícias » Arqueologia

DNA humano mais antigo do mundo revela nova espécie de hominídio — parente do homem moderno

A espécie recém-descoberta viveu há 800 mil anos e é próxima também dos Neandertais e dos hominídeos de Denisova

Vanessa Centamori Publicado em 02/04/2020, às 13h00

Fóssil contendo o dente analisado pelos pesquisadores
Fóssil contendo o dente analisado pelos pesquisadores - Divulgação / Copenhagen University

Pesquisadores da Dinamarca analisaram um dente fossilizado e encontraram o material genético mais antigo do mundo a ser extraído de um parente humano. Com isso, eles decobriram um grupo de hominídeos, que possuem laços genéticos similares aos Homo sapiens (o homem moderno). 

Além disso, esse novo grupo também é parente dos Neandertais e dos hominídeos de Denisova (espécie descoberta na caverna de Denisova, na Sibéria). Os nossos parentes recém-descobertos são, ainda, de uma espécie que viveu há 800 mil anos. 

Por muito tempo, cientistas têm buscado qual seria o papel do antecessor do Homo sapiens na evolução humana. Agora, o mistério ganha uma possível resposta sem precedentes. Isso pois o DNA da nova espécie identificada foi extraído de uma proteína e é duas vezes mais antigo do que qualquer outro material genético antes descoberto.

A partir de um dos dentes fossilizados, que aparecem na imagem, foi extraído o DNA humano mais antigo do mundo / Crédito: Divulgação / Copenhagen University

 

"A análise da proteína antiga nos dá evidência de que há uma relação próxima entre o antecessor dos Homo sapiens, nós (os Homo sapiens), os neandertais e os hominídeos de Denisova", afirmou em comunicado, Frido Welker, pesquisador da Universidade de Copenhagen. 

Segundo o co-autor do estudo, Jesper Velgaard Olse, também da Universidade de Copenhagen, o achado abrirá portas para outras descobertas. "Nós podemos então comparar as sequências proteicas antigas que lemos às de outros hominídios, como neandertais e Homo sapiens, para determinar como eles são geneticamente relacionados", explicou.