Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Doenças

Doença da urina preta: Pará investiga morte e 3 casos após consumo de peixe

Em 2021, o Estado registrou 25 casos confirmados da doença

Éric Moreira, sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 27/06/2022, às 14h07

Imagem de vários pescados - Foto por Thomasilhabela pelo Wikimedia Commons
Imagem de vários pescados - Foto por Thomasilhabela pelo Wikimedia Commons

A Secretaria de Saúde do Pará está investigando atualmente quatro casos de suspeitas da Doença de Haff, também conhecida como Doença da Urina Preta. A doença é caracterizada pelo escurecimento da urina, dor muscular, falta de ar, dormência, perda de força, entre outros sintomas.

Um dos pacientes suspeitos de apresentar a doença tinha comorbidades e acabou morrendo, enquanto os outros três seguem em observação. Em 2021, o Estado do Pará chegou a registrar 25 casos confirmados da doença, e os casos acompanhados atualmente são da zona rural de Óbidos, também no Estado do norte.

Os pacientes relataram sintomas como dor muscular intensa, abdominal e escurecimento da coloração da urina após o consumo de peixes da espécie pacu, típico da região. A doença é causada após a ingestão de uma toxina que pode ser encontrada em diversos peixes, como o tambaqui, pacu e pirapitinga, além de alguns crustáceos, quando não guardados e acondicionados de maneira adequada.

Pescados de pacu, no Amazonas, Estado vizinho do Pará
Pescados de pacu, no Amazonas, Estado vizinho do Pará / Foto por Jéssica Karoline Alves Portugal pelo Wikimedia Commons

Órgãos responsáveis

A Vigilância Epidemiológica do município coletou amostras dos peixes para análises. O órgão também emitiu um alerta aos profissionais da área da saúde das redes pública e privada para que ocorresse a identificação e comunicação de casos suspeitos, e às autoridades no município para a aplicação de medidas preventivas.

Os moradores da região, por sua vez, foram orientados a evitar o consumo de pescados como o pirapitinga, o tambaqui e o pacu na região. A orientação do órgão de saúde para caso alguma pessoa sinta sintomas como fraqueza, dor muscular, dor de cabeça, dormência e urina escura entre 2 e 12 horas após o consumo do peixe, é de que procurem atendimento médico rapidamente.