Notícias » Brasil

Pelo Twitter, Eduardo Bolsonaro afirma estudar história pelo Youtube para sabatina no Senado

Concorrendo ao cargo de embaixador em Washington, o deputado se prepara para apresentar-se no Congresso Nacional

Jânio de Oliveira Freime Publicado em 27/08/2019, às 12h00

None
- Reprodução

O deputado federal e indicado para assumir a embaixada dos EUA – e, não à toa, filho do atual presidente do Brasil – Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) afirmou pelo Twitter que vem se preparando para a sabatina no Senado assistindo ao YouTube para aprender mais sobre a História Nacional. Porém, sem muitos critérios de qualidade, o exemplo dado pelo político foi sua confiança no canal Brasil Paralelo.

Em postagem, o deputado escreveu “Tenho estudado para a sabatina e isso inclui estudar a história nacional. Assim, tenho revisto episódios do @brasilparalelo sobre a história do Brasil, como o episódio que trata da nossa independência passando por Leopoldina, Bonifácio e Princesa Isabel”, pontando vídeo de 2017 feito pelo canal.

Deputado do PSL no Twitter / Crédito: Reprodução

 

Assim como o filho do presidente, este canal é adepto à realidade alternativa explorada pelo filósofo Olavo de Carvalho, descreditando a autoridade de historiadores. Eduardo não possui qualquer formação diplomática e nunca nem pisou no Instituto Rio Branco para desenvolver seus estudos, tampouco em um Departamento de História no Brasil.

Dentro da proposta de História Alternativa, que sustenta a narrativa moral do governo, Eduardo Bolsonaro se alinha às principais peças que rodeiam o cargo que deseja assumir: o presidente Bolsonaro, o estrangeiro Donald Trump e o comandante do Itamaraty, Ernesto Araújo, adepto ao revisionismo olavista.

Olavo e Paulo de Almeida já foram convidados a participar do conteúdo do Brasil Paralelo / Crédito: Reprodução

 

No entanto, para a comunidade internacional de historiadores e boa parte do Parlamento Brasileiro, o tipo de bagagem historiográfica trazida pelo Brasil Paralelo é insuficiente para uma posição de prestígio como é a embaixada de Washington.