Notícias » Brasil

“Ele saiu de lá vivo” afirma delegada que conduziu as investigações do caso Marco Aurélio

O garoto desapareceu misteriosamente no Pico dos Marins, em São Paulo, há 36 anos

Penélope Coelho Publicado em 23/07/2021, às 13h40

Marco Aurélio
Marco Aurélio - Divulgação/Arquivo pessoal

De acordo com informações publicadas na última quinta-feira, 22, pelo portal de notícias G1, a delegada Sandra Vergal — responsável pelas investigações relacionadas ao sumiço do menino Marco Aurélio Simon, então com 15 anos, em 1985 — voltou a comentar o caso.

Sabe-se que no início dessa semana, a Justiça determinou a reabertura do caso do desaparecimento de Marco Aurélio — que era escoteiro e sumiu há 36 anos, durante uma trilha no Pico dos Marinhos, localizado em Piquete, no interior de São Paulo.

A decisão se deu após as autoridades receberem novas pistas sobre o caso, como relatou o Aventuras na História, na última segunda-feira, 19.

Segundo revelado na reportagem do G1, Vergal descarta a possibilidade de que o escoteiro tenha sido morto no local, para a delegada, o jovem saiu do Pico dos Marins com vida:

“A gente apurou todas as pistas e circunstâncias e eu acredito que ele saiu de lá vivo”, disse Sandra em entrevista.

A declaração da delegada é baseada no depoimento do motorista de ônibus José Benedito da Silva, que dez meses depois do sumiço do garoto procurou as autoridades para informar que teria dado uma carona para o menino. Na ocasião, ele admitiu que ficou com medo de falar antes, já que deixou um adolescente desacompanhado entrar em seu veículo.

Para a responsável pela investigação na época, essa foi a única pista consistente do caso em anos. Com base nesse depoimento, Vergal acredita que o menino tenha saído da montanha vivo. Para ela, Aurélio foi para outra cidade e se perdeu. De qualquer maneira, apesar das buscas intensas, Marco não foi encontrado até hoje.

“Nós esgotamos as nossas possibilidades de investigação. Reconstituímos o desaparecimento duas vezes. Fizemos acareações. Colhemos depoimentos inúmeras vezes e seguimos até mesmo as pistas que pareciam nos levar a lugar algum. Espero que agora tenham uma resposta”, revela.

Sabe-se que a versão da delegada é uma das possibilidades que segue sendo investigada atualmente.

Relembre o caso

O garoto Marco Aurélio Simon foi visto pela última vez em 8 de junho de 1985, na época com 15 anos, junto a três outros amigos escoteiros e um líder, com qual perdeu contato ao caminho do acampamento. O abrigo só foi alcançado pelos restantes no dia seguinte, quando notaram que o rapaz não havia chegado, resultando em 28 dias de busca sem sucesso.