Notícias » Tecnologia

Antes da compra, Elon Musk questionou como o Twitter lida com a liberdade de expressão

Em março, o homem mais rico do mundo manifestou desconforto com as diretrizes da rede social

Redação Publicado em 29/03/2022, às 17h44 - Atualizado em 25/04/2022, às 20h59

Elon Musk durante evento
Elon Musk durante evento - Getty Images

Em meio a grandes projetos aeroespaciais com a SpaceX e  a montadora Tesla, o bilionário sul-africano Elon Musk agora está de olho no mercado das redes sociais. Nesta segunda-feira, 25, o Twitter revelou que Musk fechou acordo na compra da plataforma por US$44 bilhões. 

"Quero tornar o Twitter melhor do que nunca, aprimorando o produto com novos recursos, tornando os algoritmos de código aberto para aumentar a confiança, derrotando bots de spam e autenticando todos os humanos", afirmou o dono da Tesla em comunicado após a compra.

Musktambém aproveitou a repercussão da novidade para falar sobre a 'liberdade de expressão' na plataforma. 

"A liberdade de expressão é a base de uma democracia em funcionamento e o Twitter é a praça da cidade digital onde assuntos vitais para o futuro da humanidade são debatidos", afirmou ele. 

Liberdade de expressão

Se engana quem imagina que é a primeira vez que este tópico está presente no que é dito por Musk. Em 29 de março, Elon questionou a questão da 'liberdade de expressão' no Twitter ao abrir uma enquete, questionando seus mais de 79 milhões de seguidores: "Liberdade de expressão é essencial para uma democracia funcional. Você acredita que o Twitter rigorosamente adere a esses princípios?".

A alternativa ‘Não’ foi a mais votada, atingindo pouco mais de 70% dos votos dos mais de 2 milhões registrados. Com tal dado, ele se embasou em uma reclamação publicada no dia seguinte.

Levando em conta que o Twitter serve como uma praça pública de fato, falhar ao aderir aos princípios da liberdade de expressão prejudica a democracia. O que deveria ser feito? Uma nova plataforma é necessária?", questionou ele na época.

Ao responder seguidores, ele explicou que "pensando de forma séria" em criar uma nova plataforma de rede social com os moldes semelhantes ao microblog.

Rachel Foster-Jones, que é analisa da GlobalData, falou sobre a questão dos reguladores ao redor do mundo diante deste tópico.

“Os reguladores em todo o mundo ficarão estremecidos com as possíveis implicações da liberdade de expressão caso a oferta de aquisição de Musk seja bem-sucedida”, afirmou ela, conforme repercutido pela AP.