Notícias » Arqueologia

Em escavação realizada por conta própria, habitantes de vila israelense encontram igreja bizantina

Arqueólogos registraram mosaicos e partes da estrutura do local que provavelmente data do século 5 ou 6 d.C.; confira as fotos!

Isabela Barreiros Publicado em 08/09/2020, às 14h37

Parte da igreja encontrada em Mi'ilya, Israel
Parte da igreja encontrada em Mi'ilya, Israel - Divulgação/Rabei Khamisy

Os residentes da aldeia de Mi'ilya, localizada no topo da colina, no norte de Israel, possuem um enorme interesse na história do local em que vivem. Ao longo de gerações, muitas foram as escavações arqueológicas realizadas por conta própria na região. A mais recente revelou uma descoberta impressionante: uma igreja bizantina.

Segundo o arqueólogo Rabei Khamisy, que nasceu e cresceu na vila, trata-se de uma antiga catedral que data do século 5 ou 6 d.C. Duas casas de Mi'ilya foram construídas sobre os destroços do local. 

Crédito: Divulgação/Rabei Khamisy

 

“Tenho toda uma secção da nave, vejo os seus limites. A área entre os pilares está muito bem preservada, então eu sei onde começa a nave. Eu tenho o átrio, que fornece a fronteira oeste, e o poço de água, então sei quanto tempo o átrio era. E porque a arquitetura bizantina é conservadora — quando tenho uma nave e um corredor, — posso adivinhar onde ficava a abside”, explicou Khamisy. “Mas não encontramos e provavelmente não encontraremos.”

Crédito: Divulgação/Rabei Khamisy

 

Além de fragmentos da arquitetura da antiga igreja, foram encontrados inúmeros mosaicos que estavam em muitos desses espaços. Por exemplo, um deles foi encontrado na sala de estar de uma casa atual, que provavelmente pertencia à nave da capela. Foi encontrado ainda um mosaico que estava localizado no átrio. 

Crédito: Divulgação/Rabei Khamisy

 

No entanto, como foram muitas as descobertas feitas em apenas um local específico, os arqueólogos envolvidos passaram a acreditar que as ruínas não eram de apenas uma igreja, mas faziam parte de um complexo de mosteiro. Para o pesquisador Moti Aviam do Kinneret College, ele possui pelo menos 1600 anos.