Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Mundo

Em imagens: Arqueólogos descobrem 'grande e raro' cemitério medieval na Inglaterra

Com espada e joias raras, local ajudará a entender como era a vida na Inglaterra anglo-saxônica

Alan de Oliveira | @baco.deoli sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 22/06/2022, às 10h40

Espada achada no meio do cemitério medieval - Divulgação/ Youtube Canal HS2 Ltd
Espada achada no meio do cemitério medieval - Divulgação/ Youtube Canal HS2 Ltd

Em Buckinghamshire, sul da Inglaterra, arqueólogos que trabalham no novo projeto ferroviário de alta velocidade chamado ‘HS2’, se depararam com uma instigante redescoberta: um cemitério anglo-saxão.

Divulgação/ Youtube Canal HS2 Ltd

Quase três quartos das sepulturas continham objetos funerários de boa qualidade, sugerindo que o local abrigava uma rica comunidade anglo-saxônica.

Os achados datam os séculos 5 e 6, período com lacunas nos registros históricos e arqueológicos. Com grande importância, esses artefatos ajudarão a entender como as pessoas viviam na Inglaterra anglo-saxônica.

Divulgação/ Youtube Canal HS2 Ltd

O local contém 138 sepulturas, além de 141 sepultamentos e 5 enterros de cremação, tornando-se um dos maiores cemitérios do período medieval já encontrados no país.

A proximidade da data deste cemitério com o final do período romano é particularmente emocionante, especialmente por ser um período sobre o qual sabemos relativamente pouco. Os objetos materiais nos dirão tanto sobre as pessoas que viveram durante esse período, quanto às próprias pessoas”, afirmou a arqueóloga Rachel Wood, na publicação do artigo. 

Achados mais interessantes

Algumas sepulturas chamaram a atenção de pesquisadores, como a de uma mulher que fora sepultada com uma variedade de pertences, incluindo tigelas ornamentadas, anéis de cobre e prata.

Divulgação/ Youtube Canal HS2 Ltd

Apenas um corpo foi encontrado com fortes evidências de assassinato, trata-se do esqueleto de um homem com idade entre 17 a 24 anos que estava com um objeto de ferro pontiagudo embutido em sua coluna. Objetos de guerras como 2 espadas, também foram guardadas para estudos.

O próximo passo da pesquisa será uma consolidação de análises sobre os artefatos em 2 anos. Com isso, mais informações sobre as histórias das pessoas enterradas no local e os artefatos encontrados serão revelados.

Você pode conferir o estudo completo neste link;