Notícias » Brasil

Em live, ex-prefeito de cidade do Piauí afirma que "não roubou o tanto" que o sucessor roubou

José Maria Monção, preso em 2009 por corrupção e em 2015 por crimes de responsabilidade, brincou com a índole do pré-candidato a reeleição em Cocal

Wallacy Ferrari Publicado em 08/09/2020, às 08h24

José Maria Monção discursa em transmissão partidária
José Maria Monção discursa em transmissão partidária - Divulgação / MDB

O ex-prefeito de Cocal, município do Piauí, José Maria Monção (MDB), confessou em tom de brincadeira que roubou durante sua gestão na administração pública da cidade, durante live promovida como convenção partidário, no último domingo, 6. De acordo com o político, o atual prefeito, Rubens Vieira (PSDB), roubou mais do que ele em governos anteriores.

“Fui prefeito três vezes, sei do sofrimento. Mas também não roubei o tanto que esse aí roubou, não. Esse é descarado, está afundando Cocal", brincou Monção na transmissão, fazendo diversos representantes do partido — dispostos ao fundo do vídeo — gargalharem com a confissão.

Em seguida, o político ainda comparou suas condenações com os supostos métodos de corrupção do rival político: “Se eu tivesse sido tão direito, eu não tinha ido preso, né. Se eu fui preso, tem um motivo. O mais político que rouba, rouba para dar para o povo. É difícil o cara roubar para si. Agora esse daí não; roubou para ele”, alegou o ex-prefeito.

De acordo com o G1, José Monção foi preso em 2009 durante a Operação Harpia, promovida pela Polícia Federal, sendo acusado de ter participação de um esquema que desviou mais de R$ 2,6 milhões de reais do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica, além de ser preso em 2015 por crimes de responsabilidade cometidos enquanto era prefeito de Cocal.