Busca
Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaYoutube Aventuras na HistóriaTiktok Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Charles III

Em Londres, ativistas vandalizam primeiro retrato oficial de Charles III

A obra está exposta em museu com entrada gratuita, o que facilitou trabalho dos ativistas ao colarem cartazes e uma cabeça de personagem; confira!

O rei Charles III e o seu primeiro retrato oficial - Getty Imagens e Reprodução / Jonathon Yeo
O rei Charles III e o seu primeiro retrato oficial - Getty Imagens e Reprodução / Jonathon Yeo

Ativistas de um grupo defensor dos direitos dos animais vandalizaram o primeiro retrato oficial do rei Charles III, que está em exposição em uma galeria em Londres.

O grupo de ativismo Animal Rising publicou um vídeo em suas redes sociais nesta terça-feira, 11, mostrando dois de seus membros utilizando um rolo de pintura para fixar dois cartazes sobre o retrato do monarca. O público tem acesso gratuito ao retrato do rei, em exibição na galeria Philip Mold, no centro de Londres, até o dia 15 de junho.

A obra, que é o primeiro retrato oficial do rei Charles como monarca, gerou controvérsias quando foi revelada no início deste ano. O artista Jonathon Yeo retratou o rei com um fundo de pinceladas vermelhas, o que provocou reações diversas, segundo a CNN Brasil.

Os ativistas cobriram a cabeça do rei com uma imagem do personagem de desenho animado britânico Wallace, da série de comédia “Wallace e Gromit”. Em seguida, colaram um balão de fala na pintura com a seguinte legenda: “Sem risadinha, Gromit, veja toda essa crueldade nas fazendas da RSCPA”. Veja abaixo!

Ação chamativa

A ação visava chamar a atenção para um relatório do grupo, divulgado no domingo, 9, que eles descreveram como uma “investigação contundente” em 45 fazendas certificadas pela instituição de caridade de bem-estar animal, a Sociedade Real para a Prevenção da Crueldade contra os Animais.

Em seu site oficial, a Animal Rising se descreve como uma organização não violenta, que faz campanha por uma “transição urgente para um sistema alimentar sustentável e justo baseado em plantas”, e alega que o esquema RSPCA Assured encobre “a crueldade em escala industrial”.