Notícias » Família Real Britânica

Em luto, Elizabeth busca afago em seus novos cachorrinhos, diz jornal

Príncipe Philip morreu na última sexta-feira, 9, deixando a monarca viúva após mais de sete décadas de casamento

Fabio Previdelli Publicado em 12/04/2021, às 11h00

Foto da rainha Elizabeth
Foto da rainha Elizabeth - Getty Images

Com a morte do príncipe Philip, a rainha Elizabeth vem tentando aliviar a dor pela perda do marido com uma de suas maiores paixões: os animais. Isso porque, segundo informações divulgadas pelo UOL, a monarca vem tentando se distrair com Fergus e Muick, os novos cachorros adquiridos por ela enquanto Philip estava hospitalizado.  

Os animais da raça corgi, os preferidos de Elizabeth, receberam o nome de seu tio — que morreu em 1915, aos 26 anos, durante a Batalha de Loos — e de um lago que fica no castelo de Balmoral, a morada de verão da monarquia, que fica na Escócia. 

Segundo informações do tabloide britânico Daily Mirror, Elizabeth disse que não queria mais ter cachorros desde que seu fiel escudeiro, Whisper, morreu em 2018. "A Rainha ficou com apenas um cachorro no final do ano passado. Ela decidiu não receber mais porque não achava justo na sua idade", informou uma fonte anônima ao jornal.  

"Mas seria impensável para ela não ter nenhum. É como se a Torre de Londres não tivesse nenhum corvo. Os novos cachorrinhos são adoráveis”, completou.  

Os cães da raça corgi estão presentes na vida de Elizabeth desde quando ela era muito nova. Em 1944, por exemplo, quando a rainha tinha apenas 18 anos, ela ganhou um como presente de aniversário. Segundo o UOL, a paixão da monarca por seus animais de estimação é tamanha que ela até os levou para sua lua de mel com Philip

Sobre Philip

Nascido em 10 de junho de 1921, o PríncipePhilip da Grécia e da Dinamarca, teve uma infância errante e conturbada, na juventude, ele descobriu sua vocação quando entrou para a Marinha britânica.

O homem se casou com a então princesa Elizabeth em 1947, na ocasião, continuou seu trabalho como militar, mas, renunciou ao cargo após a esposa assumir o trono britânico, em 1952. O relacionamento rendeu quatro filhos: Charles, Anne, Andrew e Edward. Philip tinha oito netos e iria completar 100 anos em junho.