Notícias » Crimes

Em nova decisão, João de Deus é condenado a mais dois anos de prisão

No total, as sentenças do médium que foi acusado por mais de 300 mulheres já somam mais de 64 anos de detenção

Pamela Malva Publicado em 26/05/2021, às 14h00 - Atualizado às 14h30

Fotografia de João de Deus durante uma de suas sessões
Fotografia de João de Deus durante uma de suas sessões - Creative Commons/ Wikimedia Commons

No final de 2018, o médium João Teixeira de Faria, mais conhecido como João de Deus, foi acusado de estupro por dezenas de vítimas. Na última terça-feira, 25, então, ele foi condenado novamente, sendo que as penas já totalizam mais de 64 anos de prisão

Dessa vez, a decisão foi emitida pelo juiz Renato César Dorta Pinheiro, titular da comarca de Abadiânia, segundo o UOL. Por violação sexual mediante fraude, portanto, João de Deus foi condenado a mais dois anos e seis meses de detenção.

Inicialmente, de acordo com o Tribunal de Justiça de Goiás, o atual processo envolvia dez vítimas que acusavam João de Deus. Depois de apresentadas pelo Ministério Público do Estado, contudo, apenas a denúncia de uma delas foi aceita pela Justiça.

Imagem de João de Deus entre fiéis / Crédito: Creative Commons/ Wikimedia Commons

 

Além da nova acusação, contudo, João de Deus já foi condenado a 40 anos de regime fechado por estuprar cinco mulheres, a mais 19 anos e quatro meses de reclusão por violação sexual mediante fraude contra duas jovens e por porte ilegal de armas, condenação que lhe garantiu mais uma pena de quatro anos em regime aberto.

Por enquanto, a defesa do médium ainda não se posicionou sobre a nova decisão. João de Deus, por sua vez, nega todas as acusações já feitas contra ele, sendo que as condenações estão em fase de recurso no Tribunal de Justiça do Estado de Goiás. 

Aos 78 anos, o médium chegou a ser preso em 2018 e ficou detido até março de 2020 no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia. Por fazer parte do grupo de risco do Coronavírus, contudo, João de Deus passou a cumprir sua pena em prisão domiciliar com tornozeleira eletrônica, situação em que se encontra até hoje.